Mais de 50 cegonhas morreram eletrocutadas em linha de alta tensão na Espanha – Olhar Animal
Cegonhas eletrocutadas em Sant Quirze. Jordi Pareja (GACO)

Mais de 50 cegonhas morreram eletrocutadas em linha de alta tensão na Espanha

Cinquenta cegonhas migratórias morreram eletrocutadas no último dia 5 de agosto, quase ao mesmo tempo, em torres elétricas de Sant Quirze de Besora (Osona-Barcelona). Outros dez animais ficaram feridos.

As aves faziam parte de um grupo de mais de 700 indivíduos em migração. Não eram espanholas. Provinham do centro e norte de Europa (alemãs e suíças em sua maioria como foi confirmado em suas anilhas) e estavam a caminho da África já que a temporada de reprodução havia terminado. Pararam na zona para descansar sem perceber o perigo das redes elétricas que estavam ali. Na falta de confirmação oficial, tudo indica que a ENDESA (Empresa Nacional de Electricidad Sociedad Anónima) é a proprietária da linha envolvida no evento.

Bando de cegonhas voando na zona de Sant Quirze onde a eletrocussão massiva ocorreu - GACO
Bando de cegonhas voando na zona de Sant Quirze onde a eletrocussão massiva ocorreu – GACO

Denuncia a ENDESA

Dada a magnitude do problema em uma espécie protegida, que poderia constituir um crime contra a fauna silvestre, a SEO / BirdLife pediu ao Departamento de Território e Sustentabilidade para registrar uma denuncia de oficio. Requer a correção imediata da linha, já que a situação pode ficar ainda pior, pois a migração pós-nupcial acaba de começar e muitos mais pássaros chegarão. Enquanto isso SEO/BirdLife vai apresentar amanha, juntamente com GACO (Grupo de Anilhadores de Calldetenes-Osona), outra denuncia perante o Ministério Publico.

Os fatos foram colocados ao conhecimento dos agentes rurais rapidamente por membros do GACO. Por sua vez, os agentes da Generalitat estão registrando todos os casos, bem como o traslado de todos os exemplares feridos ao Centro de Recuperação de Fauna de Torreferrussa.

Para Cristina Sánchez, delegada de SEO/BirdLife en Catalunha, “A administração pública deve agir como organismo competente e responsável das espécies protegidas, evitando mais eletrocussões e não esperar que a sociedade civil denuncie os fatos e interponha mais denúncias.”

Por tudo isto, a SEO/BirdLife solicitan pede a Administração que zele pela proteção das espécies e exija ao proprietários da rede elétrica que modifique os apoios onde os animais estão sendo eletrocutados.

Na opinião de Nicolás López, responsável do Programa de Conservação de Espécies de SEO/BirdLife, “a Justiça avaliza a responsabilidade das companhias eléctricas diante da eletrocussão das aves, como já ficou evidente nas recentes sentenças proferidas em Castilha-La Mancha, por isso é necessário que as administrações públicas verifiquem as responsabilidades e exijam a correção das redes elétricas”.

Perigo de incêndios

Não é somente a morte de espécies protegidas. A eletrocussão de aves em redes de alta tensão, é também causa frequente de incêndios, pois com a queda de aves ardendo em fogo na vegetação que circunda os suportes das linhas elétricas, pelo que é necessário contar com suportes devidamente isolados evitando assim o problema.

A SEO/BirdLife faz parte da Plataforma SOS-Linhas de Transmissão de Energia Elétrica, que surgiu em setembro de 2016 a fim de alertar a opinião pública e as autoridades sobre a gravidade da eletrocussão e colisão de aves em todas as linhas de transmissão. Um problema que provoca a mortalidade de milhares de aves ao ano, muitas delas ameaçadas de extinção.

Por César-Javier Palacios / Tradução de Flavia Luchetti

Fonte: 20 Minutos

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.