Mais dois macacos são encontrados mortos na região sul de Palmas, TO – Olhar Animal

Mais dois macacos são encontrados mortos na região sul de Palmas, TO

Mais dois macacos foram encontrados mortos em áreas verdes de Palmas. Os casos são na região de chácaras do setor Santa Fé, no sul da cidade. O primeiro animal foi encontrado morto durante a manhã, mas já estava em avançado estado de decomposição. O segundo foi por volta das 17h e o corpo foi recolhido para exames.

A Prefeitura de Palmas informou que uma equipe do Centro de Controle de Zoonoses esteve nos dois locais. A necropsia do macaco que ainda tinha material para ser analisado está marcada para esta terça-feira (30). Os restos devem ser encaminhados a um laboratório de referência no Pará que fará exames para febre amarela.

O local onde eles foram encontrados é distante do Parque Cesamar, onde os primeiros casos foram registrados. Já são quatro macacos encontrados na região de Palmas desde o começo do ano. Os corpos dos macacos encontrados no parque estão no Laboratório Central do Estado (Lacen), que é administrado pela Secretaria Estadual de Saúde.

A morte dos macacos é considerada um evento sentinela que pode indicar a circulação do vírus da febre amarela em uma região. O macaco não transmite o vírus para os seres humanos.

Vacinação

Conforme o município, não há motivo para pânico da população e correria aos centros de saúde, pois o estado faz parte da área de recomendação da vacina e por isso a maioria das pessoas está imunizada. “A recomendação é que a população mantenha-se tranquila em relação à febre amarela, pois em Palmas a vacinação é contínua e disponibilizada na rede municipal durante o ano inteiro”, informou a secretaria de saúde.

Cerca de 63,97% da população do estado já recebeu a vacina, segundo o Estado. Além disso, o esquema de vacinação atual é de dose única. Portanto, quem tiver o registro de pelo menos uma dose da vacina está imunizado e não precisa de outra dose.

“As pessoas devem procurar cartões de vacina antigos e verificar a situação vacinal e se já houver registro da vacina, não há necessidade de revacinação”, informou o município.

Fonte: G1


Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.