Maus-tratos contra animais: um macaco de roupa não é engraçado

Maus-tratos contra animais: um macaco de roupa não é engraçado

Parece incrível, mas em 2018 é preciso insistir que um macaco de roupa não é engraçado. Compartilhar imagens onde se veem primatas vestidos é um claro exemplo de maus-tratos contra animais.

O macaco de roupa e outros casos de maus-tratos contra primatas

Na internet e em filmes podemos encontrar muitas imagens nas quais aparece um macaco de roupa ou realizando comportamentos humanizados, que não são naturais. Mesmo que possa ser divertido, na verdade existe uma realidade obscura por trás disso.

Falamos de animais humanizados quando eles possuem comportamentos que não são naturais, como andar de bicicleta ou fumar. Também falamos de humanizar condutas quando damos explicações humanas para comportamentos selvagens.

Como já mencionamos em outras ocasiões, o sofrimento de um macaco como animal de estimação é enorme, já que eles dependem muito de suas mães e, para que sejam mansos, precisamos arrancá-los de seus braços. E isso é exatamente o que acontece com os protagonistas desta classe.

Quando um macaco é utilizado em circos ou atua na televisão, precisamos que ele não se comporte como um animal selvagem para que não seja perigoso. É por isso que, quando vemos um macaco de roupa, sabemos que esse primata está humanizado e passou por um calvário.

O sorriso falso dos primatas

Existem outros indicativos de sofrimento desses animais. Grande parte dos primatas comunicam-se por gestos faciais, ainda que os significados que damos a eles sejam diferentes.

Enquanto que, para os humanos, o sorriso tem um significado bom, quando um macaco nos mostra os dentes de forma parecida a um sorriso humano, isso quer dizer medo. Isso porque ele mostra suas principais armas quando está assustado.

Quando vemos um macaco de roupa ou realizando um comportamento humanizado, em muitas ocasiões ele aparece com essa expressão de medo. Essa expressão parece engraçada para as pessoas, mas é treinada através de medo e maus-tratos.

Só há uma forma de fazer com que um animal mostre sua face de medo quando você quiser. Na verdade, demonstrou-se que a maioria dos primatas que aparecem em filmes apresentam esse comportamento.

Consequências dos primatas humanizados

Separar esses animais de suas mães para humanizá-los tem muitas consequências: a relação entre mães e filhotes é forte entre todos os primatas, desde a espécie humana até o macaco Cebus.

Isso faz com que o uso desses animais para o cinema ou sua posse como animais de estimação cause problemas psicológicos similares aos que podem desenvolver crianças órfãs ou maltratadas. São animais complexos e selvagens, que devem viver em grandes grupos de macacos de sua mesma espécie.

No entanto, existem outras consequências menos conhecidas. Já foi demonstrado que compartilhar imagens de um macaco de roupa ou como animais de estimação aumentam o tráfico ilegal de espécies silvestres, o que pode colocá-los em perigo de extinção.

Um dos casos mais conhecidos é o do Loris Lento, um mamífero venenoso cuja caça ilegal aumentou exponencialmente com os vídeos do Youtube onde é visto como animal de estimação.

Esse é um grande exemplo, já que é um caso de humanização de comportamentos selvagens: o Loris levanta os braços quando se faz cócegas nele. No entanto, essa é uma conduta defensiva: nos cotovelos deste animal há glândulas venenosas.

Muitas autoridades já denunciaram os perigos de humanizar animais selvagens e usá-los na indústria do cinema e de espetáculos. Uma das mais conhecidas é Jane Goodall, que resgatou muitos chimpanzés e outras espécies em seus santuários de primatas, e que pede que imagens deste tipo não sejam compartilhadas nas redes sociais.

Fonte: Meus Animais 

LEIA MAIS

Tirar os dentes dos golfinhos para que os turistas possam nadar com eles: um horror que ninguém quer contar

 

A triste verdade por trás dos fofos vídeos dos lóris

A verdade perturbadora por trás do seu nado com golfinhos

 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *