Medicamentos estão na lista de produtos que causam envenenamento e os cães podem acidentalmente tomar.(Fotos: Reprodução shutterstock)

Meu cachorro sofreu um envenenamento, como proceder?

É quase impossível para os donos ficar o dia inteiro de olho nos cães. Todos precisam trabalhar, cuidar dos afazeres domésticos ou resolver coisas do dia a dia. Por causa de dias tão corridos, os animais ficam livres para fazerem o que querem na casa. O lado ruim disso é que, sem querer, o bichinho pode acabar sofrendo um envenenamento.

Os cachorros são muito curiosos, então existe a possibilidade de ingerirem algo que não deveriam e se auto envenenarem. Por outro lado, nem todo mundo gosta de animais, seja por causa dos latidos, sujeira na calçada ou medo. Essas pessoas podem ser ruins o suficiente para oferecerem produtos de exterminação de pragas para os bichinhos. Tome muito cuidado para o cachorrinho não sofrer um envenenamento   dessa forma.

Produtos que provocam o envenenamento do animal

Para se precaver e evitar deixar esses produtos em locais de fácil acesso, saiba quais objetos podem envenenar seu animal de estimação.

  • Chocolate;
  • Medicamentos ;
  • Lixo;
  • Plantas tóxicas, como hera, azevinho e fitolaca;
  • Tinturas com chumbo;
  • Produtos de limpeza;
  • Bebia alcoólica;
  • Drogas ilícitas;
  • Repelente de pulgas;
  • Alho e cebola em excesso;
  • Passas e uvas;
  • Cogumelos selvagens;
  • Produtos químicos.

Nem todas as opções da lista são ingeridas deliberadamente. A queda de uma lata com produto químico dentro, por exemplo, provoca incômodo na pele. Consequentemente, o cachorro irá lamber a pelagem e as patas. Só essa atitude instintiva já garante o envenenamento do animal.

Sinais de envenenamento

Quando um cachorro é envenenado, diversos sintomas podem aparecer, dependendo principalmente do tipo de produto ingerido. Inicialmente, irá demonstrar apatia, falta de vontade e desinteresse pelas coisas. Em seguida, surge o excesso de sudorese e salivação. Você irá notar essa mudança, principalmente se não tem uma raça “babona”.

Se notar que os batimentos cardíacos estão irregulares ou qualquer outra alteração sem histórico prévio, fique atento. Ele pode ter ingerido algum tipo de medicamento ou planta. Estramônio, flor-da-fortuna e louro-da-montanha são exemplos de folhas que causam esses sintomas.

Já danos no fígado são provocados por remédios como paracetamol e plantas como crotalária. Atenção a esses itens, pois são bem comuns nas casas. Em relação a danos nos rins, algumas ervas também são as responsáveis. Entre elas estão lírios da Páscoa, folha-de-prata, taioba e cipó imbé.

Ao perceber qualquer um dos sintomas, ligue imediatamente para o veterinário pois a causa provavelmente é envenenamento.

Porém, se seu cão apresentar hematomas, sangue nas fezes, anemia ou sangramento nasal, é bem provável que comeu veneno de rato. Demais produtos perigosos como excesso de cebola, alho, trevo e samambaias também causam esses sintomas.

Outros sinais decorrentes de um envenenamento são tremores musculares involuntários e rítmicos, convulsões, falta de ar, cólicas e diarreia. O animal também começara a recusar alimentos e parar de beber água. Qualquer alteração comportamental já é um indício de alerta.

Obviamente, os sintomas podem variar de animal para animal. Cada um reage de um modo ao ingerir produtos venenosos, pois depende do organismo. Mas, num geral, são esses os sinais mais frequentes e que servem de base para os donos reconhecerem uma situação perigosa.

Como agir nesses casos

Ao notar que seu cão foi envenenado, a melhor saída é identificar os sintomas e ligar para o veterinário. Durante o tempo de chegada do profissional ou ida até a clínica, cabe a você realizar os primeiros socorros para garantir a sobrevivência do bichinho.

Primeiramente, pegue o animal com cuidado e leve-o para um lugar calmo, iluminado e ventilado. Não tire os olhos dele em num momento. Em seguida, ligue para o médico, conte o que aconteceu, informe os sintomas e espere suas instruções. O procedimento varia dependendo do que foi ingerido pelo pet, por isso não existe uma solução padrão.

Dessa forma, uma etapa importante é descobrir que causou a intoxicação. Procure vestígios na boca do animal ou no local em que foi encontrado. Se descobrir, dê o máximo de informações sobre o item para o veterinário. Em caso de produto químico ou planta, leve a embalagem ou colha uma amostra da espécie. Tendo-o em mãos, o profissional saberá melhor como encontrar um tratamento.

É importante saber que induzir o vômito não é uma boa ideia. Se ele ingeriu substâncias corrosivas, como água sanitária e gasolina, a regurgitação causará queimaduras cáusticas e danificar o esôfago, garganta e boca. A mesma recomendação vale sobre oferecer alimentos, líquidos ou remédios caseiros. Consumir qualquer coisa nesse momento poderá causar o efeito contrário, piorando a situação. Espere a indicação do médico antes de tomar uma atitude.

Se, por algum acaso, você estiver longe de um profissional ou não conseguir contata-lo, dê carvão ativado diluído em água. Esse composto impede a absorção completa do agente tóxico pelo organismo, mas só funciona se aplicado logo após o incidente. É possível comprar comprimidos em qualquer farmácia. Utilize uma seringa se o cão tiver com dificuldades para engolir.

Jamais induza o vômito sem recomendação médica, pois pode causar queimaduras cáusticas e danificar o esófago, garganta e boca.

Tratamento

Depois dos primeiros socorros, vá diretamente para o veterinário ou espere-o chegar. Ele irá analisar o estado do cachorro e, com todas as suas informações, indicará o melhor tratamento. Siga todas as recomendações para que o agente saia totalmente do organismo. Continue indo regularmente à clínica para garantir que o animal está fora de risco.

Prevenção

Para evitar outro envenenamento , é importante manter os produtos perigosos fora do alcance do bichinho. Se você sabe que ele é curioso e gosta de revirar os armários, coloque certos alimentos, medicamentos e produtos químicos em locais altos e de difícil acesso. No caso de plantas tóxicas, pendure o vaso na parede ou coloque num ambiente restrito. Todas essas mudanças são importantes para proteger o pet e cuidar de sua saúde.

Fonte: Canal do Pet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.