Foto: Twitter | Para mudar esse tratamento em 1994, a Organização Pan-Americana da Saúde mudou o título de "Cachorro de rua" para "Cachorro de dono irresponsável".

México, o país com mais cachorros de rua

Atualmente, existem muitas campanhas de adoção para combater esse problema e, assim, proporcionar uma nova oportunidade para melhorar sua qualidade de vida.


No México, 70 por cento dos cães estão em condições de rua, o que o coloca como o primeiro lugar na América Latina com cães nessa condição, revelou Boehringer Ingelheim Animal Health.

Ele também observou que 75 por cento desses caninos não receberam uma vacina ou desparasitação durante toda a vida, o que se torna um risco para a saúde pública e uma fonte de infecção para outros cães.

No marco do Dia Internacional do Cachorro de Rua, que está sendo comemorado hoje, 27 de julho, a farmacêutica destacou a importância de conscientizar as pessoas que nesta condição os animais sofrem com a fome, o frio, a doença, o maltrato, a discriminação e a morte.

Por ele, a fim de mudar esse tratamento, em 1994 a Organização Pan-Americana da Saúde mudou o título de “Cachorro de Rua” para “Cachorro de dono irresponsável”, porque a maioria tinha tutores, mas foram abandonados por falta de compromisso.

Atualmente, existem muitas campanhas de adoção para combater esse problema e, assim, proporcionar uma nova oportunidade para melhorar sua qualidade de vida, após os números indicarem que oito em cada 10 filhotes nascidos em ninhadas nas ruas morrem antes de completar seu primeiro ano de vida.

Assim, é necessário que as pessoas que querem adotar um cão e mudar essa história sejam pacientes com o cão, monitorem sua saúde através de visitas ao veterinário e coloquem uma placa de identificação, além de evitar que se reproduzam, disse em um comunicado.

Tradução de Thaís Perin Gasparindo

Fonte: 24 Horas

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.