Mulher resgata 12 cães em situação de maus-tratos em Piracicaba, SP

Animais foram resgatados de canis; após tratamento, serão doados.

243

Das mais variadas formas de trabalhar pelo bem dos animais, como resgatar um cachorro em situação de maus-tratos, Alessandra Belucci, 47, foi além dos padrões comuns. Dona de 40 cães vira-latas, ela sempre se mobilizou em prol do bem estar dos animais. Após a yorkshire Valentina morrer, há 4 meses, sua única cadela de raça, ela decidiu procurar um novo companheiro de estimação, da mesma categoria, e visitou diversos canis da cidade. Indignada com a situação em que se encontravam as cadelas — que eram usadas como matrizes e também com a situação dos machos —, decidiu adotar provisoriamente 12 cães.

No primeiro canil, foram resgatadas cinco yorkshire’s, que estavam sendo aposentadas dos trabalhos de reprodução. A própria dona do espaço solicitou ajuda de Alessandra, que se prontificou em recuperar as cadelas. Em boas condições de saúde, todas foram rapidamente adotadas.

Também através da dona do primeiro local, Alessandra soube de um canil que estaria sendo desativado, e que havia sete yorkshires em situação delicada, cinco fêmeas e dois machos. A proprietária não sabia o que fazer com eles, pois estava com dificuldades financeiras para recuperá-los. Diante do fato, Alessandra concordou em adotar os sete cães, que foram resgatados de dentro de duas caixas, em uma residência de amigos da proprietária do canil desativado. Em situação extrema de maus-tratos, contaminados com bactérias, Alessandra teve dificuldades para cuidar dos animais. Procurou ajuda novamente e encontrou três mulheres e uma veterinária que se prontificaram em auxiliar. Os cachorros foram levados para uma casa de uma amiga de Alessandra. O imóvel está vazio. A ONG Vira-lata, através da integrante Patrícia Chaves, bancou os custos dos primeiros exames. Foram constatadas doenças sexualmente transmissíveis, problemas dentários e infecções. Os tratamentos foram iniciados com serviços voluntários da veterinária Luciana Martin Mioty. Além disso, a enfermeira Roseli Aparecida Godinho e a merendeira Meire Canales ajudam com os cuidados três vezes por dia.

Segundo Luciana, o tempo de tratamento dos cães, iniciado há mais de uma semana é de 30 dias, restando cerca de 15 dias para a conclusão. Após o período, eles serão castrados. Só depois do término de todo o processo, serão disponibilizados para adoção. Todos os cuidados médicos estão sendo feito de forma voluntária por Luciana, porém, doações estão sendo aceitas. As doações podem ser feitas pelo telefone (19) 98844-3220.

Por Vinicius Chinellato

Fonte: Jornal de Piracicaba

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.