Nesta foto de 3 de abril de 2013, um membro da equipe de Resgate da Vida Marinha dos Mergulhadores Britânicos olha uma baleia minke em East Beach, North Berwick, Escócia - AFP/Arquivos

Outra população de baleias sofre morte repentina no Atlântico

Pesquisadores marinhos dos Estados Unidos estão estudando uma incomum mortalidade de baleias-de-minke ao longo da costa leste do país, a terceira nessa população de grandes baleias nos últimos dois anos, disseram funcionários nesta quarta-feira (31).

Um total de 28 baleias-de-minke (Balaenoptera acutorostrata) morreram desde janeiro de 2017 no Oceano Atlântico, do Maine à Carolina do Sul, informou a Administração Oceânica e Atmosférica (NOAA) dos Estados Unidos.

As mortes, a maioria das quais ocorreram no nordeste, são mais que o dobro da taxa de mortalidade anual normal de 12 para esta população de baleias grandes e cinzas.

Nove tinham evidências de emaranhados com equipamentos de pesca, oito tinham sinais de doenças infecciosas e duas morreram por um trauma contundente. Outras necropsias estão em curso, disse a NOAA.

A agência declarou um “evento de mortalidade incomum” para descobrir a causa, o que marca a terceira investigação deste tipo nos últimos anos.

Baleias-jubarte e baleias-franca também experimentaram uma mortalidade incomum, e essas investigações ainda estão abertas.

Um total de 62 baleias-jubarte (Megaptera novaeangliae) morreram na costa atlântica desde janeiro de 2016, e 18 baleias-franca do norte do Atlântico (Eubalaena glacialis) faleceram desde junho de 2017.

“Não tivemos antes três eventos independentes de mortalidade incomum de baleias coincidentes na mesma área geográfica durante o mesmo período”, disse Teri Rowles, coordenador do programa de saúde e mamíferos marinhos da NOAA.

“Continuaremos investigando”, assegurou a jornalistas.

A maioria das necropsias das baleias-jubarte mostra traumas de força contundente, o que sugere que as mortes ocorreram por golpes com barcos.

As baleias-de-minke são solitárias e alcançam até 10 metros de comprimento.

As 28 mortes do ano passado não são consideradas uma ameaça para sustentabilidade da população, que inclui entre 1.400 e 2.500 animais, disse a NOAA.

Fonte: Isto É

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.