Padre de Gravatá (PE) lamenta morte de Bolinha, mascote da Igreja Matriz – Olhar Animal
Fotos de Bolinha na igreja e no altar da Matriz de Gravatá apareciam com frequência nas postagens do padre João Paulo. Foto: Anderson Souza/Cortesia

Padre de Gravatá (PE) lamenta morte de Bolinha, mascote da Igreja Matriz

Cadelinha era conhecida pela população da cidade por acompanhar fielmente todas as missas e celebrações e ficar no altar da igreja ao lado do pároco

O padre João Paulo Araújo Gomes responsável pela paróquia de Gravatá, no Agreste de Pernambuco, e conhecido por acolher animais de rua e permitir que eles acompanhem suas missas, fez uma homenagem emocionada nas redes sociais para se despedir da cadelinha Bolinha, considerada a mascote da igreja. O animal, que costumava marcar presenças nas celebrações, já era conhecida pela população da cidade como a cachorrinha do padre e como a guardiã da Igreja Matriz, onde encontrava carinho e afagos dos fiéis.

Postagem no Facebook do padre João Paulo homenageou a cadela Bolinha e teve grande repercussão. Foto: Facebook/Reprodução
Postagem no Facebook do padre João Paulo homenageou a cadela Bolinha e teve grande repercussão. Foto: Facebook/Reprodução

De acordo com o pároco, Bolinha chegou na igreja na segunda-feira (23) — para onde corria sempre que ouvia os sinos tocarem — com sinais de um suposto envenenamento e deixou de comer. A cadela foi socorrida em uma clínica veterinária e, na quarta-feira, começou a ter febre.

Depois da realização de exames, ela foi diagnosticada com uma infecção e operada na sexta-feira (27), mas não resistiu. “Perdoe-me, Bolinha, se eu não fiz tudo o que podia fazer por você, pra te proteger e defender. Perdoe-me pela maldade das pessoas que eu não consegui evitar. Sempre acreditei que você não era minha, mas era de todos dessa cidade. Meu anjinho tao linda, tão meiga e tão bondosa”, escreveu ele em um dos textos homenageando o animal.

Assídua frequentadora das missas do padre João Paulo e já tinha lugar cativo no altar. - Foto: Divulgação
Assídua frequentadora das missas do padre João Paulo e já tinha lugar cativo no altar. – Foto: Divulgação

Na postagem de despedida feita em seu perfil no Facebook, compartilhada 11 mil vezes e comentada por mais de oito mil pessoas, o padre João Paulo se refere a Bolinha como “nosso anjinho” e diz que ela voou para o céu. “Seu corpinho vai ser colocado no jardim da Casa Paroquial em meio às flores e o canto dos pássaros”, diz o religioso na postagem.

Além de agradecer pelo apoio de grupos de defesa animal, de protetores e pela assistência prestada pelos veterinários que atenderem Bolinha, o padre fez um apelo: “A melhor homenagem a ela é cuidar dos animais de rua, socorrer, adotar”.

O corpo de Bolinha foi sepultado neste sábado (28), no jardim da casa paroquial. Em reverência a ela, foi feito um toque especial dos sinos da Igreja Matriz ao meio-dia.

Por Juliana Aragão

Fonte: OP9

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.