RJ novafriburgo gato morto thumb

Dupla será indiciada por maus-tratos após morte de gato com pisões

RJ novafriburgo gato morto

A Polícia Civil de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, colheu, neste domingo (17), o depoimento de dois homens que confessaram um crime praticado contra um gatinho que estava abandonado em uma caixa de papelão. Um deles filmou o outro dando pisões na cabeça do animal e continuou registrando o bicho agonizando até a morte. Eles mesmos compartilharam as imagens da tortura pelo celular, que logo se propagaram pelas redes sociais gerando o repúdio dos internautas. Após torturarem o gato, em determinado trecho do vídeo um dos homens chama o outro de “covardinho”. No final das imagens, um deles comemora e afirma que “ganhou 18 conto”.

No depoimento, os dois, que moram em Nova Friburgo, confirmaram que o crime aconteceu na última terça-feira (12) durante uma viagem a Campinas, em São Paulo. A Polícia Civil informou que o caso será encaminhado para a delegacia de Campinas e disse que a dupla será indiciada por maus-tratos aos animais. O caso será julgado pelo Juízado Especial Criminal. Caso sejam condenados irão cumprir penas alternativas, como pagamento de cestas básicas ou prestação de serviços sociais.

RJ novafriburgo sola do peAs imagens mostram a dupla parando o carro em uma estrada, logo após ver o gato na caixa de papelão. Depois, um deles desce do veículo e começa a torturar o bicho, como se quisesse esmagar a cabeça do gatinho. Após vê-lo morrendo, os dois brincam com a situação e até a sola do calçado o homem mostra ao amigo ao voltar para o carro.

Com centenas de compartilhamentos nas redes sociais, as imagens chegaram aos defensores da causa animal que, revoltados com o caso, registraram ocorrências tanto na delegacia de Nova Friburgo quanto na de Bom Jardim.

Um jovem que gerencia uma página para encontrar animais desaparecidos foi um dos que fizeram a denúncia. O perfil “Cadê meu dog? Nova Friburgo” tem cerca de 4 mil seguidores que ficaram revoltados e postaram frases de repúdio à ação dos dois homens.

“Sobre a ação desses covardes, só tenho a lamentar. Enquanto fazemos o bem, as pessoas como esses rapazes do vídeo, fazem o caminho inverso”, criticou o jovem que preferiu não se identificar. Apesar de ter exposto as imagens na internet e ficar perplexo com a ação, o dono da página afirmou que muitos perfis estavam incitando à violência contra os rapazes e, por esse motivo, retirou a página do ar temporariamente. Em suas postagens, ele afirmou que repudia qualquer tipo de violência com as próprias mãos e, após retirar os comentários agressivos, o perfil será reativado.

As imagens também foram criticadas pela gateira (como são conhecidos os donos e apreciadores dos gatos) Michele Figueira.

“Foi um absurdo o que eles fizeram, mas é importante frisar que, em momento algum, a intenção de divulgar esse vídeo foi para que eles fossem linchados ou algo do tipo”, disse, pedindo para que as pessoas não façam justiça com as próprias mãos.

A reportagem do G1 tentou localizar os dois envolvidos, mas não conseguiu contato.

RJ novafriburgo facebook1

Vídeo do SBT registra agressão ao gato. Atenção! Cenas fortes:

Fonte: SBT / G1

MG itabira galeriagr 15082014150335 thumb

Cavalo sofre com abandono em cubículo em Itabira, MG

Por Tatiana Santos

MG itabira galeriagr 15082014150335

Na última semana, um internauta procurou DeFato Online para denunciar as condições em que um cavalo é ‘criado’ no bairro Santa Ruth, em Itabira. O animal é mantido em um curral improvisado de aproximadamente sete metros, que fica aos fundos da casa dos familiares do internauta.

O internauta encaminhou fotos e informações por meio do WhatsApp. Ele disse que o dono da casa cria o cavalo no local há mais de um ano e que o equino se encontra “em condições absurdas”. Conforme informou, no período de aproximadamente um ano, o animal nunca saiu do curral. O internauta registrou imagens de quando o animal chegou ao local e sua situação atual.

MG itabira galeriagr 15082014150356

O caso tem trazido vários transtornos à vizinhança, pois o odor proveniente do curral tem sido insuportável, como definiu o morador. “O local é tão sujo que chega a feder como um chiqueiro. Já chegamos ao ponto de ter que passar o dia com a casa toda fechada, pois o mau cheiro era tanto que era impossível almoçar com as janelas e portas abertas”, reclamou.

No último dia 5 deste mês, o cavalo estava sem se mexer e com ratos ao seu redor. A Polícia Militar foi acionada, mas informou que a única coisa a ser feita era um boletim de ocorrências.

MG itabira galeriagr 15082014150229

A situação já foi denunciada ao Setor de Posturas da Prefeitura de Itabira, que compareceu ao local. O caso foi parar no Ministério Público. “O que nos deixa mais indignados é que o dono do animal não mora na propriedade, e, com isso, não sofre com o mau cheiro do local”, indigna-se o internauta. A reportagem tentou contato com o dono do cavalo, mas não obteve êxito.

Fonte: De Fato Online

PE paulista 20140817122702287441u thumb

Comunidade ‘adota’ jacarés em Paulista, PE

Por Lenne Ferreira

PE paulista 20140817122702287441u

A Rua Catolé Novo, no bairro de Arthur Lundgren II, em Paulista, virou cenário de uma inusitada convivência entre animais selvagens e seres humanos. Jacarés que vivem no Rio Paratibe foram ‘adotados’ pela comunidade e, de tão queridos, ganharam nomes e são tratados como bichos de estimação pelos moradores. Mas essa relação aparentemente inofensiva oferece riscos para répteis e humanos.

Os jacarés, da espécie papo-amarelo, começaram a aparecer na comunidade há pouco mais de dois anos, segundo a dona de casa Ana Maria de Santos, 60. Desde então, todas as tardes a senhora oferece carne aos animais. Foi ela quem batizou dois deles, Nego e Chico. “Quando chamo, eles atendem”, garante. A reportagem acompanhou um desses momentos. Ao ouvir a voz de Ana, Nego apareceu boiando sobre o rio.

Às margens da PE 15, os répteis parecem adaptados à rotina urbana. Tomam banho de sol, dividem terreno com cachorros, gatos e crianças da comunidade. O convívio é facilitado pela proximidade do rio com a praça onde os moradores se reúnem. Segundo o professor Sérgio Alves, 40, que mora na área há 18 anos, cerca de dez animais de tamanhos diversos – o maior deles com dois metros – vivem naquele trecho do rio.

Até quem não é da comunidade faz questão de cuidar dos bichos. Severino Lopes, 48, mora no Centro, mas vai todos os dias ao Matadouro de Paulista, localizado próximo à comunidade, em busca de carcaças para vender na feira. Na volta, faz uma parada para alimentar os jacarés com bofe de boi, vísceras de galinhas ou carne. “Só tenho um pouco de receio dos menores, porque são mais rápidos e já me deram um bote”, diz.

Apesar da aparente harmonia, a relação deveria ser motivo de preocupação, afirma a professora do departamento de biologia da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Jozelia Correia. “Eles foram condicionados pelos moradores”, disse ela. “Associam o chamado ao momento de serem alimentados. Apesar da boa vontade, esse tipo de ação não está beneficiando os animais”, declarou.

Segundo a professora, a interferência humana faz com que o jacaré deixe de exercer sua função no ambiente. “Ele tem um papel importante no controle de outras populações. Quando são alimentados, deixam de caçar.”. Ela lembra que os acidentes podem ser fatais, e o fato de os répteis serem alimentados não anula as chances de ataques. Basta que se sintam ameaçados”, explica.

Os moradores planejam construir um muro para impedir a passagem dos jacarés, mas acreditam que, como estão sempre alimentados, eles não oferecem perigo.

“Nunca acionamos o poder público porque não queremos que saiam daqui”, disse Sérgio Alves. Ele acredita ser possível a convivência entre humanos e jacarés sem que haja danos para nenhum dos lados. A única maneira disso acontecer, afirma a professora da UFRPE, é deixando que o animal exerça sua função na natureza.

Fonte: Diário de Pernambuco

SP presidenteprudente pombo9 thumb

Prefeitura acaba com projeto que alimentava pássaros em Presidente Prudente, SP

Gaiolas que ficavam ao ar livre em Presidente Prudente foram retiradas nesta sexta-feira (15). Executivo justifica que cumpriu lei municipal que proíbe dar comida para os pombos.

SP presidenteprudente pombo9

Depois de mais de um mês da promulgação da lei que proíbe a alimentação de pombos na cidade e prevê advertência e multa para quem descumpri-la, a própria Prefeitura de Presidente Prudente resolveu retirar as “gaiolas livres” que estavam instaladas no Parque do Povo.

A reportagem do iFronteira registrou na tarde desta sexta-feira (15) funcionários da Companhia Prudentina de Desenvolvimento (Prudenco) retirando a última das três gaiolas que eram utilizadas para a alimentação de aves no ponto turístico da cidade.

As gaiolas, que haviam sido instaladas pela própria Prefeitura, eram reconhecidas por terem vãos espaçados que possibilitavam a entrada e a saída das aves a qualquer momento. Funcionários da Prefeitura abasteciam as gaiolas com alimentos para os pássaros. Além disso, também havia um recipiente com água à disposição dos animais.

Acostumadas durante tanto tempo com a rotina de alimentação, as aves procuraram as gaiolas na tarde desta sexta-feira (15), porém, os equipamentos já haviam sido retirados, conforme registrado peloiFronteira. Mesmo já sem as gaiolas, os pássaros ainda permaneciam nos espaços vazios deixados pelos seus antigos “pontos de referência”.

SP presidenteprudente DSCN4109EDITADA

Segundo o secretário municipal de Comunicação, Marcos Tadeu Cavalcante Pereira, as gaiolas estavam ajudando a infringir a própria lei do município e também sendo utilizadas de forma inapropriada.

“Além da lei, que não permite mais a alimentação de aves, já tínhamos a intenção de retirar as gaiolas livres porque a alimentação estava sendo feita de forma inadequada. A Secretaria do Meio Ambiente pensa em outra forma de manter as aves migratórias que passam por ali, mas em outro sistema que não exija a interferência do homem”, destacou o secretário.

A lei 8.578/2014, que proíbe a alimentação de pombos em calçadas, vias, praças, prédios e demais locais de acesso público na zona urbana de Presidente Prudente e também estabelece penalidades, foi sancionada e promulgada no dia 9 de julho de 2014.

O texto prevê advertência e multa de 150 Unidades Fiscais do Município (UFMs), além da apreensão do alimento e dos utensílios usados, para quem descumprir a lei. Isso corresponde atualmente a R$ 418,83.

Implantado em 2010, com o objetivo de atrair pássaros ao Parque do Povo, o projeto das gaiolas livres estava também servindo de ponto de alimentação para os pombos, algo que a lei municipal não permite mais.

FOnte: iFronteira

MARCIO 010610 val thumb

Chifres em fogo e o sadismo passando a língua nos lábios

Por Marcio de Almeida Bueno 

MARCIO 010610 val

Assim como alguém usou sua criatividade para elaborar complexos instrumentos de tortura para os humanos, houve também quem utilizasse sua capacidade de imaginação e raciocínio – essa âncora-argumento especista de muita gente – para inventar métodos para provocar dor nos animais não humanos. Se um país de Primeiro Mundo segue com a tradição do touro de fogo, não há desculpa plausível de ignorância, desconhecimento ou primitivismo. Tochas acesas são presas em um sarrafo amarrado nos chifre do touro, que corre pelas ruas sentindo o calor lentamente queimando a parte interna sensível do chifre. A situação dura horas, e muita vezes o fogo atinge até os olhos do animal.

Qual o sentido de criar algo para provocar dor em um animal? Vê-lo se debatendo, no sofrimento mudo de quem não sabe bem como se defender, até ficar exausto. Uma via-crucis, sendo que a morte não sacraliza a vítima – paradoxalmente, o touro de fogo é tradição na Península Ibérica, conhecida pelo forte catolicismo. O animal está ali para jugo total dos humanos, sem limites ou regras, então nada mais catártico do que a tortura, sentir prazer ao ver o outro, e aí não se questiona jamais a senciência, sofrendo e experimentando o mais alto pico de dor que a ele tenham direcionado. Imagino o prazer quase sexual – ou a substituição deste – para o populacho que corre pelas vielas das cidadezinhas espanholas, adrenalina e suor, queimando os chifres deste animal-patrão, animal-esposa-chata, animal-sogra, animal-vida-vazia-do-interior, um momento aguardado com tesão e ansiedade de adolescente.

Mas o dia a dia de uma fazenda, esse refúgio bucólico promotor do desenvolvimento, segundo os trouxas, é uma feira de variedades da tortura e subjugo dos animais. Confinamento, contenção, instrumentos, ferro, fogo, argolas, violência – tudo é pensado para manter a casta bovina quieta e obediente ao empregado do pecuarista, este como o cowboy de funcionários e animais.

A ideia de que a zona rural é Sítio da Vovó Donalda é mero subterfúgio do remorso, que fecha os olhos a cada copo de leite bebido, a cada mastigada no bife. Um manual de produtividade leiteira é um passeio pela inventividade humana aplicada à extração, fórceps em mãos, dos produtos animais enquanto estes ainda estão vivos, agonizantes na mudez e no olhar que reflete a silhueta do agressor. Para alguns poucos a dor e escravidão, encerradas com morte, significam lucro e os filhos estudando em bons colégios. Para a maioria pateta, é um consórcio da tortura, pago diariamente no caixa do supermercado. Para uma minoria crescente, choca e merece repúdio.

Mas a produção de alimentos é sempre percebida – ideia vendida pela mídia – como uma atividade bondosa, preocupada com a fome no mundo, geradora de empregos e que alavanca a cidade, o estado, o país. Ok, mas quem não tem grana não compra nada no supermercado, então é uma eterna corrente de dinheiro financiando a exploração animal, com vistas a um bom prato na mesa, três vezes ao dia. E empregos cabem sob qualquer guarda-chuva, não apenas este ou aquele. O ramo que impulsionou economias devastou outras – porque a natureza não entra no cálculo, nem a prensa dada nos não humanos – e muda conforme o vento, basta ler um livro de História.

E como é para ‘matar a fome do mundo’, qualquer técnica é válida, desde castrar – pense bem, senhor leitor do sexo masculino, ser derrubado no chão e ter seus testículos cortados a frio – até marcar com ferro quente. Cortar bico dos frangos, Ok. Vitela sem poder se mexer, Ok. Argola no nariz do porco, para este não fuçar no chão, Ok. Gado confinado, Ok. Vacas que não saem de um galpão, Ok. Siris fervidos vivos, Ok.

Mas a dor vai permanecer no pensamento humano como o máximo de frenesi a ser aplicado em outrem e em si, e já que marcos da humanidade como a Santa Inquisição e a escravidão negra não mais existem, falta o objeto-espelho a observar no ápice da sensação. Gozar um prazer proibido ao assistir, adrenalina e suor, um diferente de si absorvendo a tradição de tortura que a História carrega, sem poder falar, o olho arregalado como único esperneio possível, a via-crucis em moto-perpétuo, tentando arrancar os pecados dessa maioria molenga e que procura desesperada por alguma emoção fora do circuito trabalho-família-vício ao qual se permite, e exercitando o aprendizado da submissão, vingança contra os maiores, e desejo inconfessável de experimentar a posição de andar de quatro, apanhar, arder em fogo, ser derrubado, castrado, marcado a ferro quente, acorrentado e – orgasmo suado atrás de portas fechadas – ser morto como um mártir, vestes em trapos como Jesus tirado da cruz, secreções corpóreas pelo chão, sob olhar-espelho de superiores, inferiores e iguais.

Clique aqui para ver um vídeo sobre o Touro de Fogo na Espanha

Fonte: ANDA


{article 975}{text}{/article}

Olhar Animal – www.olharanimal.org


ADOTAR 914679284 n

Adote cães e gatos

O Olhar Animal disponibiliza vários caminhos para você adotar um cão ou um gato. Milhares esperam por tutores amorosos e responsáveis, que respeitem os interesses e as necessidades de cada um deles. Deixe-se apaixonar!

 

Galeria de Adoção

Fotos e outras informações sobre cães e gatos cadastrados no site. Clique na imagem.

nosedog   nosecat
Cães   Gatos

 

Formulário de Adoção

formulario

Envie informações sobre o animal que você procura. Sua mensagem será encaminhada para a rede de protetores de animais de sua região. Aquele que tiver o cão ou gato entrará em contato diretamente com você. Preencha já o Formulário de Adoção

 

Calendário de Eventos de Adoção

agendaeventos

No Calendário de Eventos de Adoção você pode pesquisar o mais perto de você. A maioria deles acontece aos finais de semana. Pesquise entre os eventos de seu estado. E agende-se! 

 

Atenção! Está preparado para adotar um animal? Antes, saiba sobre as necessidades de seu novo companheiro e dos cuidados que você deverá ter para uma Adoção Responsável .

BA conquista IMG-20140814-WA0005 thumb

Após maus-tratos, homem abandona cavalo em Vitória da Conquista, BA

Por Anderson Oliveira

BA conquista IMG-20140814-WA0005

Com uma população beirando os 400 mil habitantes, Vitória da Conquista não possuiu um Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e com isso muitos animais com debilitações de saúde são vistos nos quatro cantos da cidade.

Na manhã desta quinta-feira (15) o fato voltou a se repetir, desta vez na avenida Jonas Hortélio, exatamente nos fundos do luxuoso Livramento Palace Hotel.

De acordo com populares, o cavalo que apresentava graves ferimentos estava sendo puxado por um homem que acabou abandonando em plena via, o que foi necessária à atenção dos condutores de veículos e pedestres que trafegaram pela via.

O médico veterinário do Centro de Triagem de Animais Silvestres de Vitória da Conquista (CETAS), Aderbal Azevedo, esteve in loco, e após constatar a situação informou que o sacrifício do quadrupede seria inevitável.

Fonte: Blog do Anderson

MG uberaba A5 thumb

Número de animais abandonados preocupa o Centro de Zoonoses de Uberaba, MG

Por Sandro Neves

MG uberaba A5

O crescente número de animais abandonados em várias regiões da cidade preocupa os agentes do Centro de Controle de Zoonoses. O chefe do Departamento de Controle de Endemias e Zoonoses de Uberaba, Antônio Carlos Barbosa, adverte que o Centro de Zoonoses controla as doenças de animais, como leishmaniose, mas não abriga animais.

Barbosa esclarece que os animais abandonados nas ruas são recolhidos e levados ao Hospital Veterinário (HV), caso haja constatação de doença. “Nós fazemos um trabalho de teste rápido e, se constatada a transmissão de leishmaniose, o animal é tratado no HV. Também é feita a inspeção do mosquito-palha na cidade. E afirmo que, em Uberaba, não há indícios desse mosquito”, relatou.

Antônio Carlos lembra que a Zoonoses é para cuidar de animais em risco, com sintomas de raiva ou leishmaniose. Ele ressalta que a responsabilidade da Zoonoses é cuidar da saúde pública. “O número de cães soltos, doentes e famintos tornou-se motivo de preocupação para os moradores de Uberaba. Os agentes da Zoonoses têm recolhido esses animais, castrado, medicado e devolvido à região de origem, visto que não podem ficar com animais sadios no local. Apenas filhotes são deixados lá, mas colocados para adoção nas feiras e eventos”, salientou.

Fiscalização – Barbosa alerta que está sendo feita a fiscalização em pet shops para verificar o cumprimento da lei que determina a chipagem de cães e gatos em Uberaba. “Estamos atuando em regiões de baixa renda. Também vamos fiscalizar os 200 pet shops cadastrados. Todo munícipe que cria cães e gatos com finalidade comercial e todos os proprietários de pet shops terão que identificar eletronicamente seus animais. A identificação se dá através de um microchip que é instalado no animal. Eles também deverão ser cadastrados no sistema de informações mantido pela Zoonoses. Assim, será fácil a localização do proprietário do animal. Lembrando que o grande problema é o tutor abandonar o animal na cidade”, enfatizou.

Fonte: Jornal de Uberaba

SC taio fifi thumb

Cão é resgatado após cair em poço de 4 metros de profundidade em Taió, SC

Animal estava nadando para se manter sobre a água e evitar afogamento. Resgate foi feito com um cabo de salvamento em altura na sexta-feira (15).

SC taio fifi

SC taio pocofifiOs bombeiros de Taió, no Vale do Itajaí, resgataram um filhote de cachorro que estava dentro de um poço com cerca de quatro metros de profundidade. O animal estava cansado, mas não tinha ferimentos aparentes. Após ser resgatado na noite de sexta-feira (15), Fifi foi entregue aos donos.

Por volta das 21h foi solicitado o atendimento do Corpo de Bombeiros de Taió. A guarnição com três homens foi até o bairro Victor Konder. Chegando lá, viram o filhote de oito meses dentro do poço.

Segundo a corporação, o animal já estava há algum tempo no local e tentava nadar para se manter sobre a água. Como estava cansado, às vezes parava e afundava.
Para fazer o resgate, foi utilizado um cabo de salvamento em altura. Após retiraram o cão do poço, ele foi aquecido, pois apresentava sinais de hipotermia. Em seguida, foi entregue ao tutor.

Fonte: G1

MG conceicaodopara 02 1

Rinha de galo é fechada e mais de 30 são detidos em distrito de MG

Em sítio de distrito de Conceição do Pará, 78 aves foram apreendidas. Animais foram levados para Centro de Zoonoses de Pará de Minas.

A Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMA) de quatro cidades do Centro-Oeste de Minas desmanchou na tarde deste sábado (16), um sítio usado para rinha de galo. O local fica em Bom Jesus do Oeste, distrito de Conceição do Pará. No total, 38 pessoas foram detidas e 78 aves apreendidas.

Os policiais chegaram até o sítio após denúncias anônimas. De acordo com a PMMA, o espaço onde foi montada a arena teria sido improvisado recentemente para a prática do crime. No momento da abordagem, cerca de 50 pessoas estavam no sítio. Como o local é aberto, muitos conseguiram fugir.

Entre apostadores e organizadores, 38 foram detidos. “Alguns deles possuem passagens pela polícia pelo mesmo crime”, informou o capitão Rodrigo César Silva.

A polícia ainda apreendeu uma máquina caça-níquel, gaiolas e 78 galos. “Por sorte, a polícia descobriu essa rinha logo no início. Então, tirando as quatro aves que haviam participado das lutas, as demais não estavam em condições sofridas”, explicou o veterinário Idael Santos.

As aves foram examinadas pelo veterinário e levadas para o Centro de Zoonoses de Pará de Minas, onde ficarão à disposição da Justiça. Já os suspeitos foram levados para a delegacia de Nova Serrana.

Fonte: G1