O alcatraz Nigel junto às estátuas de sua espécie na ilha de Mana, em foto do Departamento de Conservação da Nova Zelândia (Foto: Department of conservation - new zealand/AFP)

‘Pássaro mais solitário do mundo’ morre na Nova Zelândia

Os neozelandeses amantes da fauna selvagem estão de luto pela morte de Nigel, um alcatraz apelidado de “o pássaro mais solitário do mundo”, já que vivia em uma ilha sem a presença de qualquer outro exemplar de sua espécie.

Esta ave marinha passou vários anos de sua vida cercado por uma colônia de falsos pássaros de cimento, que os defensores do meio ambiente colocaram no lugar para atrair a fauna avícola.

Nigel se apaixonou por uma das estátuas da ilha de Mana, diante do litoral de Wellington, e era visto namorando, se aninhando e, inclusive, tentando copular com o falso alcatraz.

“Nigel escolheu viver em Mana e sabemos que era feliz lá porque poderia ter ido embora a qualquer momento e não o fez”, contou nesta quarta-feira Chris Bell, membro dos serviços de meio ambiente. “Era um comportamento raro para um alcatraz”.

Bell encontrou o corpo de vida de Nigel junto a sua amada esculpida no final de janeiro. Acha que foi uma morte natural por sua idade avançada, apesar desta teoria ter de ser ainda confirmada por uma necropsia.

Infelizmente, Nigel morreu no momento em que a falsa colônia de alcatrazes começava a surtir os efeitos desejados. Segundo Bell, em dezembro três alcatrazes visitaram Mana.

Estas aves não estão em perigo, mas precisa se aninhar em lugares que não sejam afetados pelas espécies daninhas importadas, como os ratos e os arminhos.

“Os alcatrazes são pássaros especialmente sociáveis e se baseiam nisso para decidir onde viver. Os chamarizes são uma forma de dizer aos que passam por aqui que este lugar é seguro, que não há predadores e que aqui se pode viver bem”, explicou Bell.

Fonte: Isto É


Nota do Olhar Animal: Sempre que seja possível intervir de forma a minimizar o sofrimento dos animais devemos intervir, independentemente do animal ser urbano ou selvagem. Claro, com o cuidado de não estar causando danos a outros animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.