Peixes 'ornamentais' são apreendidos em unidade de conservação no Pará

Peixes ‘ornamentais’ são apreendidos em unidade de conservação no Pará

Durante este final de semana, mais de 25 kg de peixes, além de instrumentos ilegais de pesca foram apreendidos no Refúgio de Vida Silvestre Tabuleiro do Embaubal, em Senador José Porfírio, no sudeste paraense. O local é uma Unidade de Conservação Estadual de proteção integral e, por isso, é proibida a utilização dos recursos naturais existentes no Tabuleiro. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (17), pelo Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade do Estado do Pará (Ideflor-bio).

Dentre os animais apreendidos, estavam 170 peixes ornamentais da espécie acari pão, que foram devolvidos para a natureza. Os policiais apreenderam ainda três arpões e dois óculos de mergulho. A apreensão ocorreu durante fiscalizações do Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) realizadas frequentemente nas praias do Tabuleiro e da Reserva de Desenvolvimento Sustentável Vitória de Souzel, às margens do rio Xingu.

Os pescadores foram flagrados pelos policiais sem autorização para pesca concedida pelos órgãos responsáveis e sem documentos, como carteirinha de pescador.

REPRODUÇÃO DE QUELÔNIOS

A fiscalização no Revis Tabuleiro do Embaubal é feita frequentemente pelo BPA e por técnicos do Ideflor-bio, responsável pela gestão das duas Unidades de Conservação. Durante os meses de setembro e janeiro, no entanto, a inspeção é reforçada por conta do período de reprodução de quelônios.

O Tabuleiro do Embaubal é uma das áreas, no Pará, de maior índice de reprodução de quelônios da região amazônica. Entre os meses de setembro e novembro, milhares de tartarugas-da-amazônia, pitius e tracajás migram de diversos locais no estado para depositar ovos nas praias do Tabuleiro. Entre novembro e janeiro, ocorre o período de eclosão dos ovos, em que é possível ver mais de 30 mil tartaruguinhas nascendo em um único dia.

As fiscalizações são essenciais para evitar que, durante o período de reprodução, tanto os quelônios quanto os ovos sejam capturados por caçadores e pescadores ilegais.

Por Adécio Piran

Fonte: Folha do Progresso

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.