Chapéus de pele em cores fantasia foram destaque no desfile da Giorgio Armani - Foto: REUTERS/Alessandro Garofalo

Peles sintéticas ganham adeptos de peso nas passarelas

Numa das mais engajadas temporadas de moda da história recente, não faltaram bandeiras. Teve feminismo na Dior, luta contra a fome mundial na Balenciaga e defesa do controle de venda de armas na Gucci, mas o maior beneficiado da estação foi mesmo o Reino Animal. Grifes de luxo que resistiam a abolir o uso de peles em seus produtos, enfim aderiram às versões sintéticas do material. Nos desfiles dessa estação, Armani, Chanel, Givenchy, Gucci e Michael Kors reforçam o time liderado por Stella McCartney, a estilista britânica, defensora dos direitos animais e uma das pioneiras a tratar da questão na indústria da moda.

‘Usar pele verdadeira não é uma opção’, diz Gisele Bündchen sobre capa da Vogue Paris
Entre os novatos no ramo da pele sintética está a Michael Kors que declarou em dezembro que não iria mais usar pele – seis meses após o estilista que dá nome a grife ter um discurso interrompido por ativistas. O resultado já foi visto em fevereiro durante a Semana de Moda de Nova York, com uma coleção recheada de casacos que imitam a pelagem natural dos animais e outros em tons vibrantes, como o vermelho.

O grupo Armani desde 2016 firmou um compromisso contra a crueldade animal. Na última apresentação da Emporio Armani foram apresentados casacos, saias, estolas feitos de pele sintética, em preto, verde e dois tons de azul. Já na marca mãe do conglomerado, a Giorgio Armani, o mesmo material foi base de munhequeiras e chapéus em tons fantasia, que deixaram as produções mais charmosas.

A pele sintética foi um dos destaques do desfile da Michael Kors - Foto: REUTERS/Shannon Stapleton
A pele sintética foi um dos destaques do desfile da Michael Kors – Foto: REUTERS/Shannon Stapleton

A Gucci, que assinou em outubro de 2017 um contrato com a Aliança Livre de Pele, organização que visa acabar com a exploração animal na indústria da moda, endossa o movimento. “Tomamos esta atitude porque acredito que usar pele não é moderno, é datado”, declarou Marco Bizzarri, presidente da grife, na ocasião.

Até mesmo o estilista Karl Lagerfeld teve de rever seus conceitos. Ao menos na Chanel. Grande defensor do uso de pele e inimigo dos ambientalistas, ele se teve de se render ao movimento, colocando apenas peles sintéticas no desfile da marca francesa. Na italiana Fendi, onde também atua como diretor criativo, o material de origem animal ainda foi usado.

Segundo levantamento feito pela ONG People for the Ethical Treatment of Animals (PETA), 95% das das marcas do Reino Unido não usam mais pele em suas criações – aqui estão algumas das mais tradicionais grifes como Burberry e Mulberry, que costumavam atrair ativistas para a porta de seus desfiles.

Principal representante desse movimento, a estilista britânica Stella McCartney (sim, ela é filha do Paul), vai além: não usa produto algum de origem animal. E vem sustentando uma clientela fiel desde o surgimento da marca que leva seu nome, em 2001.

Casaco de pelúcia da Stella McCartney - Foto: REUTERS/Pascal Rossignol
Casaco de pelúcia da Stella McCartney – Foto: REUTERS/Pascal Rossignol

Por Anna Rombino

Fonte: Estadão

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.