Imagem: Vegan ACT

Pintinhos são enterrados vivos após acidente com caminhão na Austrália; veja o resgate

A grande companhia controladora de avicultura Steggles lançou uma investigação devido às alegações de que pintinhos foram enterrados vivos durante a limpeza do capotamento de um caminhão perto de Yass, norte de Canberra, na Austrália.

A companhia produtora Baiada disse que ficou “chocada e perturbada” com a filmagem que parecia mostrar pintinhos vivos de somente um dia de idade sendo retirados da terra, e uma investigação está sendo realizada.

Em um comunicado à ABC, a empresa disse que as imagens e os vídeos publicados na mídia social pelos ativistas animais da organização Vegan ACT eram “completamente inaceitáveis e violam nossos procedimentos e políticas de gerenciamento de incidentes com o bem-estar animal”.

Cerca das duas horas da manhã da segunda-feira de Páscoa, um caminhão carregando 100.000 pintinhos vivos tombou na Burley Griffin Way perto de Yass.

A câmara municipal do Vale de Yass, que negou ter enterrado pintinhos vivos de propósito, foi responsável pela limpeza.

A câmara disse que seus funcionários trabalharam por mais de 15 horas para salvar 80.000 animais, enquanto que os pintinhos mortos foram enterrados.

Mas em uma publicação no Facebook a Vegan ACT alegou que pintinhos vivos foram enterrados num esforço para acabar a limpeza, ao lado daqueles que já tinham morrido.

Um vídeo não verificado anexo à publicação parece mostrar pessoas retirando pintinhos vivos da terra.

Vegan ACT alega que encontrou mais de 100 pintinhos vivos. (Imagem: Facebook Vegan ACT)
Vegan ACT alega que encontrou mais de 100 pintinhos vivos. (Imagem: Facebook Vegan ACT)

A ativista Michelle Swann contou ao ABC Radio Canberra que ela chegou ao local cerca de 14 horas após o acidente, algo que as autoridades na cena contestam.

“Antes de conseguirmos ver algo, podíamos ouvir vários e vários pios, então, logo ficou evidente que havia muitas aves que tinham sobrevivido”, ela disse.

“Havia um piado vindo de uma pilha de terra o dia inteiro. Nós ficamos lá até umas dez horas da noite ou cerca de seis horas”.

“Começamos a desenterrá-los com nossas mãos, tentando localizar de onde eles estavam chamando, havia simplesmente milhares de corpos por todo lado”.

Michelle disse que o grupo resgatou 140 pintinhos vivos da pilha de terra.

Ela acusou a câmara municipal do Vale de Yass de “crueldade para com pintinhos de um dia de idade”, mas admitiu que o grupo não entrou em contato com grupos ativistas ou a polícia. Contudo, ela disse que o grupo estava considerando ações futuras.

A câmara do Vale de Yass Rowena Abbey disse que ficou “surpresa” com as alegações da Vegan ACT de que os funcionários tinham conscientemente enterrado os animais e as rotulou como “ridículas”.

“Eles estavam por toda a estrada, na beira da estrada e os funcionários na realidade passaram mais de 15 horas retirando cerca de 80.000 pintinhos, o que não é uma tarefa leve”, ela disse.

“Então para sugerir que eles os enterraram vivos, eu acho que isso é uma acusação extraordinária”.

“Este era um dia em que eles estariam de folga, e foram chamados para uma emergência, e passaram 15 horas do seu dia para ajudar a polícia a garantir que os outros usuários da rodovia não se distraíssem ao tentarem desviar de pintinhos na estrada”.

Por Elise Pianegonda / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: ABC Rádio Canberra


Nota do Olhar Animal: Contra este holocausto e também contra a hipocrisia das “normas de bem-estar animal” a única medida eficaz é a abstenção do consumo de produtos de origem animal.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.