Foto: Matheus Reis/DN

Polícia Civil investiga envenenamento de cães em Balneário Rincão, SC

Matar animais de qualquer espécie é crime previsto em lei no Brasil desde 1998, no entanto, comumente estes delitos ambientais são registrados, inclusive aqui na região. O último caso ocorreu na zona Sul do Balneário Rincão, na última quinta-feira. Segundo informações de moradores, aproximadamente 15 cães foram mortos na Zona Sul do município. Um Boletim de Ocorrência (BO) foi feito na delegacia da Polícia Civil, que passa a investigar o caso. Ao contrário de outros registros, não foram apenas cachorros de rua que sofreram. Desta vez, até animais dentro dos pátios dos seus donos foram envenenados.

Crueldade

O morador Gilson José Fortunato, de 60 anos, perdeu seu animal de estimação. Conforme Fortunato, o crime aconteceu enquanto ele buscava pão no mercado da esquina. “Quando voltei encontrei ele já agonizando. Fiquei muito triste porque não consigo entender como alguém faz uma crueldade dessas”, lastima. Além do cão de Gilson, Fabrício André perdeu uma cachorrinha que, inclusive, já havia castrado. “Ela ficava aqui pela frente de casa. Mesmo que ela não estivesse no pátio, ela não fazia nada, era castrada e cuidada pela gente”, lamenta André.

De acordo com os moradores, junto aos corpos dos animais foram encontrados restos de roscas e pães. “A pessoa agiu muito bem e não deixou pistas que pudessem gerar desconfiança na gente”, conta Fortunato.

Reunião de delegados discutiu maus tratos

Coincidentemente, também na quinta-feira, delegados da região se reuniram com a Comissão de Defesa dos Animais da OAB, na delegacia regional, para tratar uma forma de repreender estes maus tratos De acordo com o presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Santa Catarina (Adepol – SC), Ulisses Gabriel, o encontro discutiu uma forma prevenir estes crimes. “Infelizmente, como tudo no país, precisamos achar uma forma de punição mais firme para que haja prevenção. Eles vão parar de maltratar quando forem punidos por isto”, coloca Gabriel.

Saúde Pública

Segundo o presidente, ele entrou em contato com delegado de Içara, responsável pelo Balneário Rincão, Rafael Iasco, que cuidará das investigações. Iasco garantiu que após o registro do BO, a polícia irá apurar a situação. “Infelizmente na região isso ocorre muito. Na maioria das vezes os próprios vizinhos matam os animais. No entanto, é preciso ressaltar que o município precisa tomar uma atitude urgente. Isto é caso de saúde pública e não podemos ficar fiscalizando”, ressalta.

Mutirão de castração em parceria com a prefeitura

A Organização de Proteção dos Animais (OPA) de Balneário Rincão se responsabilizou pelo registro do BO na delegacia de polícia. A ONG é parceira da prefeitura e responsável pelo mutirão de castração que ocorre na cidade. Emiliana Maria Duarte, que preside a Organização, explica que há algum tempo o trabalha já está sendo feito. Além disto, o grupo também é responsável por trabalhos de conscientização. “Nós precisamos trabalhar diretamente nas escolas com as crianças. É preciso conscientizar para que não haja abandono, tampouco estes assassinatos e maus tratos”, destaca Emiliana.

Construção de canil

Uma das intenções da ONG é construir um canil. Atualmente, após as castrações, os animais ficam em um lar temporário, contudo, depois de uma semana voltam para as ruas. “Nós ainda não temos este lugar, porém estamos trabalhando para que em seis meses este lar para os animais seja construído”, acrescenta a presidente da ONG.

DENUNCIE

Faça sua denúncia anônima pelo telefone 181 ou pelo site da Polícia Civil: delegaciavirtual.sc.gov.br

Por Matheus Reis

Fonte: DN Sul

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.