População de capivaras passa por análise em Palmas (TO) e bichos podem ser castrados

148
Capivara dribla militares do Corpo de Bombeiros do TO (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Capivara dribla militares do Corpo de Bombeiros do TO (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Diagnóstico está sendo feito pela Fundação de Meio Ambiente. Se for constatado que há superpopulação, animais poderão ser remanejados ou castrados quimicamente.

Um relatório sobre a população de capivaras na região urbana de Palmas está sendo desenvolvido pela Fundação Municipal de Meio Ambiente. Serão analisadas informações sobre a quantidade de animais e os locais que eles frequentam. Se for verificado que há uma superpopulação, os bichos poderão ser remanejados ou até castrados.

“Vamos elaborar um diagnóstico para ter a situação real das capivaras na região urbana. Baseado nisso, contratamos o diagnóstico, que está na fase final. Nós vamos ter os dados concretos da quantidade de indivíduos e onde elas estão percorrendo”, disse o presidente da fundação, Evercino Moura.

A maioria das capivaras vive na região do Parque Cesamar, mas muitos flagrantes foram feitos dos animais andando pela Theotônio Segurado e outras vias da cidade. Um dos bichos foi flagrado na avenida JK, após entrar em uma agência bancária. O espécime tinha cerca de 60 kg e deu muito trabalho para agentes do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Guarda Ambiental.

Balanço feito pela prefeitura há cerca de dois anos apontava que mais de 100 animais vivem no Parque Cesamar. Os animais até já passaram por descarrapatização, após uma infestação ser detectada no local.

Caso o relatório aponte para uma superpopulação, as capivaras podem ser castradas. “Vai ser elaborado o plano de manejo para saber se teremos que deslocar elas para outras regiões, se vai ser necessário alguma intervenção como castração química. Para que a gente possa ter uma convivência harmônica entre a população da área urbana e as capivaras.”

Segundo o presidente, a recomendação é que os visitantes do parque e moradores que avistem os animais não façam contato. Apesar, dos bichos não oferecerem risco. “A gente orienta para que a população não se aproxime porque são animais silvestres e não se sabe como vai reagir. Constatada qualquer situação inadequada deve se entrar em contato com os bombeiros e guarda metropolitana.”

Famílias de capivaras atravessa avenida Theotônio Segurado em Palmas (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
Famílias de capivaras atravessa avenida Theotônio Segurado em Palmas (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.