Portugal: organização política lamenta que Barreiro não tenha aderido ao Cheque-Veterinário

Portugal: organização política lamenta que Barreiro não tenha aderido ao Cheque-Veterinário

A Juventude Popular (JP) do Barreiro veio hoje a público lamentar que  o Barreiro não tenha aderido ao Cheque-Veterinário, Projecto Solidário  promovido pela Ordem dos Médicos Veterinários, um programa que  consiste em uma rede de cuidados primários médico-veterinários para  animais em risco – Plano de Cuidados de Saúde Veterinária (PCSV), que  permite dotar os Municípios e Juntas de Freguesia com os instrumentos  necessários para o cumprimento da legislação em vigor.

Para a JP Barreiro, “perde-se uma grande oportunidade de apoiar as  associações de defesa dos animais e famílias carenciadas do Barreiro,  que se esforçam diaramente para dar uma vida condigna aos seus animais”.

O PCSV é composto pelo Plano de Cuidados de Saúde Primários (PCSP),  que inclui vacinação, desparatização e esterelização, e pelo Plano de  Cuidados de Saúde Continuados e de Urgência (PCSVU), que consiste na  capacidade de resposta de tratamento médico e de urgência 24 horas aos  animais em risco identificados pelas entidades aderentes.

O Cheque-Veterinário destina-se a animais errantes capturados pelos  Centros de Recolha Oficiais (CRO), colónias de gatos sob a  responsabilidade da autarquia e animais de famílias carenciadas  (devidamente identificadas pelo Município aderente, segundo a  legislação em vigor).

“Mais grave ainda é haver no Barreiro um Centro de Atendimento  Médico-Veterinário que faz parte dessa rede de cuidados, o Consultório  Veterinário de Santo António, e o executivo não aproveitar esta  oportunidade dentro do próprio concelho” referiu o Presidente da JP  Barreiro, Hélder Leal Rodrigues.

A JP Barreiro pretende também ver esclarecida se o Barreiro já se  candidatou aos apoios à esterilização de cães e gatos,  disponibilizados pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária  (DGAV), cuja aplicação se resumia a 8% em todo o país em Setembro  passado. O apoio financeiro, da DGAV, consiste na atribuição de  quantias fixas, por cada esterilização: 15 euros para gatos, 35 euros  para gatas, 30 euros para cães e 55 euros para cadelas

Fonte: Distrito Online / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.