Presença de cobras em residências pode aumentar em período chuvoso, segundo bombeiros

Na última quinta (4), uma jiboia foi resgatada em Uruaçu. Na quarta (3), uma jiboia e uma sucuri foram recolhidas, respectivamente, em Itumbiara e Senador Canedo.

247
Foto: Bombeiros
Foto: Bombeiros

Na quinta-feira (4) o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Goiás foi acionado para efetuar o resgate de uma jiboia encontrada próximo ao canteiro de obras do Hospital Regional de Uruaçu, a 280 quilômetros da Capital. De acordo com o tenente Cristiano Carvalho, responsável pela ação, a cobra, que tinha cerca de 1,20m de comprimento, estava em um pé de jaca localizado em área residencial, onde a proprietária cria galinhas e outros animais de pequeno porte.

De acordo com informações da assessoria de imprensa da corporação, esse tipo de ocorrência é “mais comum” em período chuvoso, quando os animais saem de seus habitats para procurar abrigos secos e alimentos. “É uma movimentação natural que decorre da ação humana. Desmatamentos e a proximidade de residências de zonas de mata aumenta a frequência desse tipo de caso. Aqui em Uruaçu, resgatamos, em média, uma cobra a cada quinzena”, revela Cristiano.

O bombeiro explicou que o resgate do animal durou apenas 10 minutos. “Recebemos uma ligação de uma moradora assustada que solicitou o resgate da cobra em sua residência, que fica no encontro das zonas rural e urbana. Possivelmente, o animal detectou a presença de presas no local e ficou por lá à espera do melhor momento”. A cobra foi solta em uma reserva da região.

Na última quarta-feira (3), por exemplo, outras duas ocorrências do tipo foram atendidas no Estado. Em Itumbiara, uma jiboia de aproximadamente 2m de comprimento foi encontrada em uma bicicleta, em um clube da cidade. No mesmo dia, em Senador Canedo, o Corpo de Bombeiros resgatou uma sucuri, de cerca de 5 metros, em uma propriedade rural. A cobra foi encaminhada ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do município.

Ainda segundo a assessoria do Corpo de Bombeiros, o número de resgates tem aumentado em decorrência da conscientização ambiental da população. “Antes as pessoas encontravam esses animais e, por medo, os matavam. Hoje, mais conscientes, nos procuram para que os animais sejam devolvidos à natureza”.

Por Hugo Oliveira

Fonte: Mais Goiás

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.