Raposa é encontrada em caminhão que carregava madeiras extraídas no AP

Filhote de animal teria sido levado por engano no momento da extração de madeiras. Resgate foi feito pelo Batalhão Ambiental na quarta-feira (13).

726
Filhote de raposa foi encontrado no meio de madeiras extraídas de área de cerrado do Amapá (Foto: Batalhão Ambiental/Reprodução/Facebook)
Filhote de raposa foi encontrado no meio de madeiras extraídas de área de cerrado do Amapá (Foto: Batalhão Ambiental/Reprodução/Facebook)

Um filhote de raposa foi resgatado na quarta-feira (13) após ser transportado no meio de madeiras extraídas de uma região de cerrado em Porto Grande, por uma empresa de manejo florestal especializado em eucalipto no Amapá. O animal estava debilitado, com lesão em uma das patas traseiras, informou o Batalhão Ambiental da Polícia Militar (PM).

O filhote, que é uma fêmea, foi resgatado no pátio da empresa, em Macapá, depois que o motorista que fez o transporte encontrou o animal. Esta já seria a segunda raposa resgatada da região.

“O motorista da carreta descobriu a raposa presa entre as madeiras de eucalipto que eles transportam. Imaginamos que na hora que cortaram a madeira, ela veio junto. O motorista percebeu já em Macapá e chamou o batalhão para resgatar”, disse o tenente Adauto Matos, do Batalhão Ambiental.

Nesta quinta-feira (13), depois de ser resgatada e cuidada pelos militares, a raposa foi entregue ao Centro de Triagens de Animais Silvestres (Cetas), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

No local, o animal recebeu atendimento veterinário e descansa para que na sexta-feira (15) possa passar por exames e identificar a espécie. O Ibama informou que esta foi a segunda raposa que apareceu naquela área e foi atendida pelo Cetas.

O motorista, que acionou a polícia, não foi indiciado pelo crime, porque fez a entrega voluntária do animal. A equipe da PM deu orientações aos funcionários para que fiquem mais atentos com os animais durante a coleta e transporte de madeiras.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.