ONG de Estância Velha trabalha com casa de passagem antes da adoção definitiva (Foto: Divulgação / Sefaz)

RS: Entidades de proteção animal já podem se cadastrar na Nota Fiscal Gaúcha

As instituições que atuam na proteção animal no Rio Grande do Sul já podem reunir a documentação necessária para a habilitação no programa Nota Fiscal Gaúcha (NFG). Ao longo do próximo ano, o governo do Estado vai repassar R$ 1 milhão pelo programa para entidades com atividade reconhecida na defesa dos animais. O prazo oficial de cadastramento inicia agora nesta sexta-feira (15), mas as ONGs interessadas já podem encaminhar o pedido desde agora junto à Secretaria do Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos (SDSTJDH).

É o que fez a Associação Bichinho Carente (ABC), que atua há 15 anos na cidade de Estância Velha, na região do Vale do Sinos. Tão logo soube da novidade da NFG para 2018, a fundadora e presidente da Associação, química Suzana Franco, providenciou na documentação. “Estamos muitos felizes com esta possibilidade e queremos mobilizar a comunidade a participar”, destacou. A Bichinho Carente tem como foco central o trabalho de castração de cães e gatos e a posse responsável.

Para tanto, a ONG atua em casas de passagem, onde famílias acolhem os animais até a adoção feitas em feiras frequentes. Neste meio tempo, as despesas com cirurgia, medicação e alimentos são sustentadas pela ABC, que até o ano passado recebia verbas do município e agora depende unicamente de doação de empresas e amigos. “Agora com a aproximação das férias e as viagens, aumenta muito os casos de abandono”, reclama Suzana.

Esta mobilização em busca da habilitação será importante para que na virada do ano, quando o site da NFG estiver recebendo as indicações dos cidadãos, as primeiras entidades já apareçam no sistema. A partir de 2 de janeiro, além de instituições que atendem às áreas de Educação, Saúde, e Assistência Social, o cidadão pode indicar uma ONG de sua preferência que atua na proteção dos animais.

Atualmente, ao se cadastrar no programa o contribuinte pode indicar três entidades de seu município (uma por área de atuação) e uma quarta instituição de caráter regional. As orientações para atualizar o seu cadastro e incluir a nova entidade de sua preferência serão divulgadas nos próximos dias. Não haverá a necessidade de excluir nenhuma indicação já feita.

PASSO A PASSO DA HABILITAÇÃO NO NFG

1. Avaliar se a entidade atende os requisitos legais:

a. A entidade deverá ter, no mínimo, dois anos de regular existência, considerando-se como marco inicial o registro dos seus atos constitutivos no cartório de registro de pessoas jurídicas;

2. Reunir os documentos necessários ao REGISTRO DE ENTIDADES CIVIS DO RS (caso ainda não possua esse credenciamento ou tenha perdido a validade):

a. Requerimento dirigido ao secretário do Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos solicitando a Concessão do Registro (http://www.sdstjdh.rs.gov.br/upload/arquivos/201605/31115151-modelo-de-requerimento-concessao-d-registro.docx);

b. Ficha de Cadastro, fornecida pela Divisão de Registros de Entidades, devidamente preenchida, datada e assinada pelo presidente da entidade (http://www.sdstjdh.rs.gov.br/upload/arquivos/201605/31111203-ficha.doc);

c. Atestado de Pleno e Regular Funcionamento, em papel timbrado, com a nominata da diretoria atual, data do início e término da gestão, número do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas) e endereço da entidade, emitido por conselho municipal de políticas públicas de proteção e defesa de animais ou autoridade local (órgão/autoridade do executivo municipal ou de repartição do Judiciário com jurisdição no município);

d. Comprovante do CNPJ;

e. Ata de Fundação da Entidade – Cópia autenticada;

f. Cópia autenticada da ata de eleição e posse da Diretoria em exercício.

g. Estatuto Social, devidamente registrado no Cartório de Registros Especiais, contendo número de Registro, livro, folhas e data;

h. Declarações, assinadas pelo presidente da entidade;

* Informando que o Estatuto Social não sofreu nenhuma alteração ou, em caso de alterações após a data de registro, apresentar Certidão expedida pelo Cartório informando as alterações estatutárias, assim como cópia do novo Estatuto

* Informando que a Entidade não mantém nenhum outro estabelecimento. Caso seja mantenedora apresentar relação dos estabelecimentos e entidades mantidas, contendo seus endereços, número do CNPJ e Atestado de Pleno e Regular Funcionamento de todos;

3. Enviar junto a documentação para se habilitar no NFG (considerando que o Registro de Entidades Civis foi concedido e se encontra vigente – o registro deve ser renovado anualmente):

a. Requerimento de Habilitação/Atualização NFG (aproveitar o requerimento de Registro 2.a para também requerer a habilitação no NFG);

b. Ficha de Cadastramento (http://www.sdstjdh.rs.gov.br/upload/arquivos/201605/31114821-nfg-formulario-cadastro.pdf) ;

4. Acompanhar o trâmite na Divisão de Registro da SDSTJDH, complementando documentação, se for o caso, até obter a habilitação no programa e os dados de acesso aos sistemas.

5. Contatos e informações sobre o procedimento de registro:

a. Divisão de Registro da SDSTJDH (Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos): registro@sdstjdh.rs.gov.br 51 3288-6501.

6. Contatos e informações sobre o funcionamento do NFG (ações, pontuação e repasses):

a. Leitura do Guia Básico NFG: https://sld.sefaz.rs.gov.br/Downloads/GuiaRapidoNFG_2017.pdf

b. Sefaz/RS – Nota Fiscal Gaúcha – Coordenação Social: nfg.entidade@sefaz.rs.gov.br (51) 3214-5030.

Fonte: News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.