Sucuri de 2,5 metros é encontrada em área de ponte na zona urbana de Macapá, AP – Olhar Animal
Cobra sucuri foi resgatada e solta em uma área fora do perímetro urbano, na APA do Curiaú, Zona Norte de Macapá (Foto: Batalhão Ambiental/Divulgação)

Sucuri de 2,5 metros é encontrada em área de ponte na zona urbana de Macapá, AP

Uma cobra sucuri de 2,5 metros foi resgatada pelo Batalhão Ambiental da Polícia Militar do Amapá nesta quarta-feira (25). O animal foi encontrado por um morador que estava limpando o terreno de casa, por volta das 10h, numa área de ponte que foi aterrada, no bairro Nova Esperança, Na Zona Sul de Macapá, informou o batalhão.

“Ela [a cobra] estava numa área de ressaca, que é o habitat do animal, mas que foi ocupada por pessoas. Estava escondida numa área que foi aterrada. O senhor estava roçando o terreno, quando se deparou com ela”, contou a sargento Elizabeth Trindade, do Batalhão Ambiental.

De acordo com a sargento, nesse período de chuvas em Macapá aumenta o número de registros de cobras que buscam as áreas urbanas para se alimentar.

Nos primeiros meses do ano as ocorrências vêm se mantendo em, pelo menos, uma chamada por dia de populares que encontram o bicho dentro de casa ou nas proximidades, na grande maioria dos casos os lugares são áreas de ressaca, que são regiões alagadas da cidade.

A orientação para quem encontrar um animal silvestre é ter cautela, tomar cuidado, não machucar e ligar imediatamente para a polícia.

“Também é importante os moradores manterem os quintais limpos, porque os animais procuram por alimento. A maioria dos lugares onde somos chamados para fazer a captura está com a área cheia de entulho, que é lugar ideal para o esconderijo”, completa Elizabeth.

O número para contato é o 190, do Centro Integrado de Operações de Defesa Social (Ciodes). Após o resgate, a sucuri foi solta em uma região não habitada da Área de Proteção Ambiental do Rio Curiaú, na Zona Norte de Macapá, longe do perímetro urbano.

Por Rita Torrinha

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.