Tecido que imita pele de cobra ou crocodilo ganha força na primavera

Tecido que imita pele de cobra ou crocodilo ganha força na primavera

Matar animais para fazer casacos, bolsas, sapatos e outros acessórios é coisa do passado. Após a onda faux fur – casacos imitando pele –, a moda aposta em tecidos e texturas que substituem a escama de cobra e o couro de crocodilo. Eu adorei a ideia: nada melhor do que ter estilo e priorizar o meio ambiente. Enquanto algumas marcas, como a Prada e a Fendi, ignoram essa demanda e desconsideram as ONGs atuantes em prol da causa, vários consumidores investem apenas em empresas ecologicamente corretas.

Anteriormente, Michael Kors, Ralph Lauren, Stella McCartney, Calvin Klein e Versace já haviam aderido ao movimento fur free. Nesta temporada, a Semana de Moda de Londres, seguindo uma recomendação do Conselho de Moda Britânico, aboliu por completo o uso de pele animal. Inclusive, a Burberry investiu no faux croco.

Em Nova York, Tom Ford introduziu a ideia em casacos e acessórios que imitam couro de crocodilo e o resultado foi um sucesso. Gucci, Natasha Zinko e Off-White apostaram no snakeskin.

Vem comigo conferir!

Tom Ford

Para a primavera/verão 2019, Tom Ford apostou em itens com a textura de crocodilo: saias lápis, jaquetas, blazers e bolsas. O material apareceu em cores como preto, verde-musgo e rosa acinzentado.

O faux croco aparece na saia e na jaqueta. Para completar o visual, a delicadeza da renda.
A jaqueta e a bolsa em rosa acinzentado.
A mistura de cores é suave e elegante. Adorei a jaqueta!
Em verde-militar, a estampa parece ainda mais com a verdadeira.
A faux croco também foi usada em acessórios.

Gucci

Em Paris, a Gucci investiu em uma coleção genderless com pegada underground. A estampa de cobra surgiu em peças como slip dress e calças.

O vestido com estampa de cobra foi combinado com sneaker ousado.
Calça reta com o toque estiloso do snakeskin.

Natasha Zinko

Na passarela de Natasha Zinko durante a Semana de Moda de Londres, o snakeskin foi usado em looks com tons leves. A padronagem apareceu em itens como jaqueta e calça.

A calça com estampa de cobra foi sobreposta por shorts de vinil.
A jaqueta fechada e a calça casual compõem o look na pegada luxury sport.

Burberry

No primeiro desfile de Riccardo Tisci para a Burberry, o estilista misturou peças clássicas com uma vibe vintage. A estampa de crocodilo foi usada em um trench coat e a de vaca em outras peças.

O trench coat com print fake dá mais elegância à produção em tons terrosos.
A minissaia de cintura alta deixa a produção descontraída e descolada.

Off-White

A padronagem da pele de cobra veio com o glamour street da Off-White em tom de verde-neon. Em algumas peças, Virgil Abloh investiu na textura para o toque ainda mais fiel.

Vestido e luvas inspirados em pele de cobra.
Conjuntinho esportivo com falsa snakeskin.
Saia, pochete e bomber jacket em pele de cobra.
A calça reta também ganhou o toque neon. (Fotos: Getty Images)

As atitudes conscientes e sustentáveis devem ser reconhecidas e usadas como exemplo. Os materiais sintéticos são uma boa opção para quem curte a estética da pele animal, mas não quer agredi-los. De acordo com a People for the Ethical Treatment of Animals (Peta), mais de 300 labels já deixaram de usar o mohair, um tecido macio criado com pelo de cabra.

Para outras dicas e novidades sobre o mundo da moda, não deixe de visitar o meu Instagram. Até a próxima!

Fonte: Metrópoles (colaborou Rebeca Ligabue)

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.