Turismo cruel: 15 atrações turísticas que maltratam os animais

Turismo cruel: 15 atrações turísticas que maltratam os animais

Infelizmente, ainda é muito comum se deparar com atrações turísticas que maltratam os animais ao redor do mundo.

Muitas vezes, os turistas nem percebem que estão incentivando as atrações turísticas que maltratam os animais, mas, a verdade é que enquanto continuar existindo investimento, esse tipo de turismo cruel não deixará de existir.

Há alguns anos, diversos países passaram a proibir os circos com animais. Diversos relatórios científicos e instituições que protegem os animais, mostram que o bem-estar dos bichos selvagens em circos ambulantes é insuficientemente garantido e recomendam a proibição do uso de animais nos circos.

Outra atração muito comum em alguns países é o show de baleias, golfinhos e focas. A foca, assim como os golfinhos e as baleias orca, são animais selvagem que não deveriam estar presos em parques para entreter turistas. Nos últimos anos, ex-treinadores e mergulhadores do SeaWorld, nos Estados Unidos, resolveram contar sobre os treinamentos exaustivos de golfinhos e baleias, que ainda são dopadas para “controlar” o natural comportamento agressivo.

Mas, além dos circos e shows com baleias, existem outras atrações turísticas que usam os animais como forma de entreter os turistas. Por mais que não fique aparente, todas essas práticas acabam maltratando o animal de alguma maneira.

Confira a seguir 15 atrações turísticas que maltratam os animais e entenda por que:

1. Passeio de elefantes: Segundo um relatório da World Animal Protection, divulgado em 2017, três quartos dos elefantes usados por empresas turísticas na Ásia vivem em condições inaceitáveis. Os animais ficam acorrentados de dia e de noite, muitas vezes com correntes com menos de três metros. Além disso, eles ficam de pé, apoiados apenas nas patas traseiras, e levam turistas a passear de um ponto ao outro, o que os deixa machucados e causa um alto nível se estresse.

2. Passeio de camelo: O mesmo acontece com os camelos. Em algumas parte do mundo, como no Marrocos, é comum os turistas pagarem para andar em camelos no meio do deserto. Por mais que os animas estejam acostumados com o clima, fazê-los andar o dia todo, sem alimentação e água, carregando peso, os deixa estressados e doentes.

3. Interagir com predadores: Na Tailândia e África do Sul é muito comum ver atrações turísticas em que os turistas entram na jaulas de leões e tigres para interagir com os bichos. No entanto, as associações que lutam pelos direitos dos animais dizem que as crias são retiradas das mães semanas depois de nascerem, e são levadas para  gaiolas ou jaulas, onde passarão o resto da vida. A sedação também é frequente, uma vez que é uma forma rápida e prática de manter os animais calmos.

4. Nadar com golfinhos: A prática que parece muito fofa e rende fotos encantadoras, é, na verdade, uma crueldade com os animais marinhos. O contato humano constante é estressante para estes animais. Além disso, eles passam grande parte do tempo em tanques sobrelotados e cheios de químicos.

5. Segurar animais selvagens: Tirar uma fotografia com um macaco ou uma iguana no ombro não é uma boa ideia, uma vez estes animais são retirados das suas famílias quando são apenas bebés, e treinados, muitas vezes, com violência.

6. Espetáculos com animais selvagens: Por mais que seja raro, ainda é possível encontrar espetáculos com animais selvagens como macacos dançando, leões fazendo truques, orangotangos praticando kickboxing e jacarés lutando.

7. Shows de golfinhos, focas e baleias: A foca, assim como os golfinhos e as baleias orca, são animais selvagem que não deveriam estar presos em parques para entreter turistas. Nos últimos anos, ex-treinadores e mergulhadores do Sea World, nos Estados Unidos, resolveram contar sobre os treinamentos exaustivos de golfinhos e baleias, que ainda são dopadas para “controlar” o natural comportamento agressivo.

8. Segurar arraias: Atração comum em parques do Caribe, como nas Ilhas Cayman, as arraias sofrem grande estresse e ficam sujeitas a doenças e infecções após o contato com humanos.

9. Segurar tartarugas-marinhas: O mesmo acontece com as tartarugas. Além disso, elas são criadas em tanques superlotados, o que faz com que as brigas entre elas seja frequentes.

10. Charretes e carruagens puxadas por cavalos: Em locais como Cartagena, Praga e Nova Iorque, ainda é comum ver turistas acomodados nos banquinhos aveludados de uma carruagem sendo puxados por cavalos que ficam cansados e aguentam o sol de 40º.

11. Encantamento de cobras: Cena comum em países como Índia, Marrocos e Tailândia, homens tocam flautas enquanto uma cobra se ergue no cesto e parece dançar com a música. Na verdade, essas cobras, que são surdas e tiveram suas presas arrancadas pelo “mestre”, estão se preparando para o ataque. Mas ao custo de muitas flautadas na cabeça, elas foram treinadas para não morder.

12. Macacos artistas: Em países como Indonésia, são comuns apresentações de macacos. Acorrentados pelo pescoço e fantasiados, eles são treinados para pedir dinheiro aos turistas.

13. Parques e fazendas de crocodilos: Os animais se estressam e entram em brigas violentas, chegando a arrancar pedaços uns dos outros e às vezes lutando até a morte.

14. Touradas, vaquejadas e rodeios:  A cada esquivada do touro, o toureiro enfia uma lança no lombo do bicho. Por fim, o toureiro crava uma espada no pescoço do touro, que quase sempre morre na arena.

15. Circos: Há alguns anos, diversos países passaram a proibir os circos com animais. Diversos relatórios científicos e instituições que protegem os animais, mostram que o bem-estar dos bichos selvagens em circos ambulantes é insuficientemente garantido e recomendam a proibição do uso de animais nos circos.

Fonte: Jetss

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.