O contrato entre a universidade, que é uma instituição pública financiada pelo Estado, e a produtora foi enviado para o PAN e para o BE.

Universidade pública vai pagar 10 mil euros para documentário favorável às touradas, em Portugal

O ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa – vai pagar cerca de 10 mil euros a uma produtora para realizar um documentário televisivo sobre a tauromaquia. O contrato entre a instituição pública e a produtora foi enviado na segunda-feira para o PAN e o Bloco de Esquerda.

“É de facto lamentável que o Estado continue a providenciar balões de oxigénio à indústria tauromáquica”, criticou André Silva, deputado do PAN (Pessoas-Animais-Natureza).

Segundo o documento, a proposta da Universidade é a “realização de documentário para a televisão com duração de 30 minutos, que incide sobre tradições e costumes da tauromaquia nacional”.

O documentário apenas abordará um lado da atividade das touradas que, segundo as especificações pedidas pelo ISCTE, mostrará “imagens de uma corrida mista de toiros, testemunhos e imagens de figuras relevantes da tauromaquia portuguesa; sinopse que assinale os vários conceitos, designações, elementos, funções e técnicas do universo tauromáquico português, nomeadamente o cavaleiro, novilheiro, entre outros”.

Segundo a Sábado, o contrato enviado aos dois partidos com assento parlamentar não explica o motivo pelo qual a Universidade se propõe a financiar este documentário.

“É uma surpresa muito desagradável – que não prestigia em nada esta instituição – que o ISCTE-IUL se associe ao setor mais violento que existe em Portugal, ajudando a que continue a sobreviver”, acrescentou o deputado do PAN.

André Silva, único elemento do partido na Assembleia da República, disse ainda que “enquanto esta atividade for legar, no mínimo, que estes agentes paguem impostos e não recebam dinheiro de todos nós”.

O deputado do PAN sublinhou ainda que a cláusula do contrato deixa “claro e inequívoco” que o documentário “não é sobre um determinado tema em que há uma perspetiva isenta e se colocam duas mundivisões em confronto – isto é de facto um contrato para encomendar um elogio à tauromaquia“.

Fonte: ZAP via Paivense / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.