Vídeo: animais são amarrados e levam tapas na Expogrande; protetoras denunciam maus-tratos

'É um horror, mesmo ela imobilizada, visivelmente vulnerável por estar com as patas traseiras amarradas, os homens ordenham', relata protetora.

1094

Protetores de animais receberam vídeos com denúncias de maus-tratos a uma vaca no recinto de exposições da Expogrande, em Campo Grande, MS. A denúncia foi feita à reportagem por meio de mensagens e com um vídeo onde dois homens aparecem ordenhando uma vaca e desferindo tapas no animal.

“É um horror, mesmo ela imobilizada, visivelmente vulnerável por estar com as patas traseiras amarradas, os homens ordenham e oferecem o leite às pessoas. E como ela está brava, dão tapas na vaca”, denunciou a protetora Greice Maciel, que repudiou a atitude.

Em outro vídeo, crianças são chamadas para tomar leite ordenhado ali no local. “Tiram o leite da vaca e ainda fazem piada, isso é crueldade”, reclamou.

Nas redes sociais, protetores reclamaram e muitos não quiseram sequer assistir o vídeo.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Acrissul, que inicialmente solicitou o envio do vídeo com a denúncia, para que pudessem verificar se configurava maus-tratos e identificação dos responsáveis.

Os vídeos foram enviados assim que o e-mail foi respondido, porém não foi enviada devolutiva.

Segundo a assessoria, o manejo do gado nas dependências do Parque de Exposições Laucídio Coelho – e não nas dependências da Acrissul – é de responsabilidade de cada criador/expositor e “gado este que fico exposto em pavilhões e não em estandes, e o proprietário adota boas práticas para zelar pelo gado que é levado para a pista de julgamento”, explicaram mais atentos ao fato de que a reportagem perguntou sobre stands e não pavilhões.

“Esclarece, ainda, que de fato não existe nenhum pavilhão no Parque Laucídio Coelho, onde está sendo realizada a Expogrande, onde estejam alojados animais da cor preta, como referido em seu questionamento”, apesar de o vídeo mostrar uma vaca preta, que não pulou a gaveta.

Ainda de acordo com a assessoria, “por uma questão de normas para exposição de gado nos pavilhões, todos os lotes são identificados pelo nome da propriedade. Com o acesso ao vídeo, poderemos tentar identificar os responsáveis e se de fato houve maus-tratos a animais no pavilhão citado. E, em caso positivo, a Acrissul tomará todas as providências necessárias para investigar e punir os responsáveis”.

Mesmo com o vídeo enviado na última segunda-feira, ás 11h, até o fechamento da reportagem não houve resposta para os questionamentos.

Por Liziane Berrocal

Fonte: Top Mídia News

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.