Vídeo: mais um bicho-preguiça é resgatado ao tentar atravessar a rua em Brasília, DF

Caso ocorreu 15 dias depois de outro animal da mesma espécie parar o trânsito até o Eixão. Animal não estava ferido e deve voltar a viver na natureza.

170

Policiais resgataram um bicho-preguiça que tentava atravessar a pista em frente ao Jardim Zoológico na tarde desta sexta-feira (9/2). Ao trafegar pela via no sentido Eixão, motoristas encontraram o animal e chamaram o Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA).

A “travessia” ocorreu no mesmo local onde outra preguiça parou o trânsito, em 25 de janeiro. Naquele dia, o animal foi resgatado na pista, o que causou engarrafamento até o Eixão Sul. Desta vez, ao menos, o bicho não chegou a entrar na via.

Até pela forma vagarosa de se locomover, que batizou o bicho de preguiça, os policiais não tiveram dificuldade em resgatar o animal. Na segunda-feira (5/2), para capturar um filhote de jacaré, os militares do BPMA tiveram que  usar roupas apropriadas para não levar mordidas do réptil.

Os policiais levaram a preguiça até o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Ibama, próximo à Floresta Nacional de Brasília. Como o animal não apresentava sinais de ferimentos, ele voltará a viver no cerrado. “Provavelmente, ele não será levado à área próxima ao Aeroporto porque é a segunda vez que acontece isso. O bicho vai para alguma área mais tranquila para não correr nenhum risco”, explicou o major Souza Júnior, do BPMA.

res tanto do cerrado quanto da Amazônia (Foto: Divulgação/PMDF)
Resgate foi tranquilo, afirma a PM. Animal vive entre as árvores tanto do cerrado quanto da Amazônia
(Foto: Divulgação/PMDF)

Flagrou um animal tentando atravessar a rua?

Caso esteja dirigindo e encontre um animal na pista, avise imediatamente o BPMA pelo número 99351-5736. Tente fazer sinal para os outros carros pararem ou reduzirem a velocidade, mas sem colocar você mesmo ou os outros em risco. Evite, também, tentar socorrer o bicho com as próprias mãos para não ser atacado ou ferido.

Fonte: Correio Braziliense

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.