Vitória para os elefantes! O Reino Unido está finalmente a caminho de acabar com o comércio do marfim

503
Foto: Brenda Timmermans/Pexels
Foto: Brenda Timmermans/Pexels

O Reino Unido está dando um passo sério para proteger os elefantes e parar os caçadores: o país está prestes a proibir o comércio de marfim. O novo regulamento inclui a proibição da venda e exportação de quase todos os itens feitos de marfim. A nova proibição vem como um aperto das tentativas anteriores que teriam excluído o marfim antigo produzido antes de 1947.

A consulta para encerrar o comércio de artigos de marfim de todas as idades foi anunciada pelo Secretário do Meio Ambiente, Michael Gove, informa a BBC. Embora a proibição seja significativamente mais estrita do que a legislação anterior, ainda haverá algumas isenções para instrumentos musicais, itens de valor histórico, artístico ou cultural, itens contendo uma pequena proporção de marfim e para vendas entre museus.

O governo afirma que as propostas são impulsionadas pela preocupação com os 20.000 elefantes mortos todos os anos por caçadores; uma consulta de 12 semanas sobre a lei pendente começará imediatamente. “O declínio na população de elefantes alimentado pela caça ao marfim envergonha nossa geração”, disse Gove em um comunicado. “A necessidade de ações radicais e robustas para proteger uma das espécies mais icônicas e preciosas do mundo é incontestável”.

Gove também enfatizou que as propostas vão colocar o Reino Unido “à frente e no centro de esforços globais para acabar com o comércio insidioso de marfim”. O projeto de legislação que abrange a proibição provavelmente estará pronto no novo ano.

O Reino Unido é atualmente o principal exportador mundial de esculturas e antiguidades legais de marfim. Por outro lado, o país já introduziu uma proibição ao comércio de presas de marfim cruas. De acordo com um relatório da Environmental Investigation Agency, mais de 36.000 itens de marfim foram exportados do Reino Unido entre 2010 e 2015, que é mais do que três vezes o número distribuído pelo próximo maior exportador, os EUA. Essas vendas estimulam a demanda por produtos de marfim, os conservacionistas apontaram, por isso provocam um aumento nas caças aos elefantes na África.

Os esforços para reduzir a demanda por marfim viram alguns progressos no ano passado, começando em dezembro de 2016 com a China anunciando sua proibição ao comércio interno até o final de 2017. Em junho de 2017, Hong Kong, o maior mercado de marfim, publicou o projeto de lei para proibir o comércio de marfim até 2021. Em outubro de 2018, uma grande conferência internacional sobre o comércio ilegal de vida selvagem será recepcionada pelo Reino Unido.

Com os cientistas estimando que os elefantes africanos possam ser extintos da natureza nos próximos 20 anos se não restringirmos o comércio de marfim, essa legislação (e outras como ela) não poderia tardar mais a chegar.

Por Aleksandra Pajda / Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.