Voluntárias falam sobre falta de apoio do poder público para resgatar cavalo abandonado em Palmas, TO

Voluntárias falam sobre falta de apoio do poder público para resgatar cavalo abandonado em Palmas, TO

O cavalo que estava abandonado em um terreno baldio na região sul de Palmas só foi resgatado por causa do trabalho de voluntários. O animal passou o dia deitado no sol quente porque não conseguia se levantar. Órgãos municipais e estaduais foram procurados pelos moradores, mas todos afirmaram que não tinham responsabilidade de resgatar o animal.

VÍDEO: Voluntários resgatam cavalo doente que estava abandonado em lote baldio

O cavalo circulava pelo setor Sul há cerca de um mês junto com outro animal. Só que na manhã de quarta-feira (21) amanheceu debilitado. Ele deitou em um terreno baldio e não levantou mais. Durante a tarde, os moradores até improvisaram uma cobertura e deram água para o bicho.

O animal só foi resgatado graças a duas ativistas dos direitos dos animais. O cavalo foi levado para uma chácara onde deve receber atendimento veterinário.

“A gente tentou procurar um transporte para levar, que foi o que mais dificultou. Como a gente não tinha ajuda do poder público, que isso é uma vergonha, porque nós pessoas do bem fizemos o papel que era para o município fazer”, contou Giane Oliveira, responsável pelo projeto Arca da Vida.

Membro do Comitê Estadual de Proteção e Defesa dos Animais, Solany Moreira, afirma que o estado não tem uma política voltada para a defesa e proteção de animais de grande porte que são abandonados.

“Nós assumimos um papel social que acaba sendo do próprio estado, enquanto município ou estadual. Porque não existe essa política voltada à defesa e proteção [dos animais] ou uma rede organizada onde quem resgata o animal possa saber para onde levar, onde ele vai ser tratado e como vai ser recuperado”, afirmou.

VÍDEO: Todos os animais estão sob proteção do estado, e órgãos do estado devem se responsabilizar

Responsabilidade

Ao ser procurada pela TV Anhanguera, a Prefeitura de Palmas afirmou que a Guarda Metropolitana só recolhe animais silvestres ou que estejam em situações de maus-tratos. Afirmou ainda que o Centro de Controle de Zoonoses só é responsável por animais que coloquem em risco a saúde da comunidade, como cães agressivos ou com suspeita de calazar.

A Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins (Adapec) também foi procurada, mas disse que a responsabilidade é do Centro de Controle de Zoonoses, pois o animal está na área urbana.

Nesta quinta-feira (20) a Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil confirmou que a responsabilidade realmente deveria ser do município.

“Partindo do ponto que de que o animal encontrava-se na zona urbana, a responsabilidade seria da prefeitura com seus órgãos. Ao entrarmos em contato com a Adapec foi reafirmado que a agência apenas cuida de animais na zona rural”, explicou a Naylane Lopes.

Moradores construíram casinha para cavalo abandonado em terreno baldio — Foto: Divulgação/Lucélia Almeida
Moradores construíram casinha para cavalo abandonado em terreno baldio — Foto: Divulgação/Lucélia Almeida

Fonte: G1


Cavalo abandonado em terreno baldio em Palmas (TO) é resgatado por voluntários e levado para chácara; vídeo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.