Zoonoses imuniza 397 cães e gatos na Vila Rami, em Jundiaí, SP

Zoonoses imuniza 397 cães e gatos na Vila Rami, em Jundiaí, SP

Os dois postos de vacinação montados na sexta-feira (11), na Vila Rami, resultaram na imunização de 397 animais de estimação contra raiva, superando a expectativa determinada pela Unidade de Vigilância de Zoonoses (UVZ), órgão da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS). Este é o terceiro bairro com a medida, colocada em prática para ampliar a vacinação dos animais de estimação para proteção contra a raiva.

Na área foi localizado um morcego positivo para a doença, na segunda-feira (7). A partir da informação, foi realizada ação de varredura na área para informar a população sobre os cuidados em caso de localização do morcego na residência. “Foram imunizado 298 cães e 99 gatos, total de 397 animais. Um volume acima da expectativa, que era, inicialmente de 179. A cobertura vacinal atingida”, comenta o gerente da UVZ, Carlos Ozahata.

A vacinação contra raiva deve ser realizada em todos os cães e gatos, anualmente. A dose para gatos e cães é oferecida pela Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS), por meio da UVZ, nas campanhas anuais realizadas entre os meses de agosto e setembro, além de estar disponível o ano inteiro, na sede da UVZ, na rua dos Bandeirantes, 375, no bairro Ponte de Campinas.

Os animais de grande porte também devem ser imunizados contra a doença, porém a dose deve ser adquirida em estabelecimentos especializados.

Números

O vírus da raiva é circulante entre as populações de morcegos. Neste ano, três morcegos foram localizados mortos e positivos para a doença. O registro anterior foi em 2015, com dois exemplares insetívoros localizados em área urbana. Em animal doméstico de grande porte, a cidade registra cinco bovinos positivos para a doença, desde o início deste ano, na região do Rio Acima. O penúltimo registro foi em 2002, na mesma área. A raiva é uma doença viral que afeta o sistema nervoso central, causando encefalopatia e morte. Nos animais, os sintomas são falta de apetite dificuldade para caminhar, sinais de convulsão e salivação intensa. A contaminação ocorre por contato, seja com saliva ou secreção.

Por Aline Pagnan

Fonte: Jornal da Região 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.