170 cães encontrados vivendo na sujeira em fábrica de filhotes na divisa de Minnesota com o Iowa, EUA

170 cães encontrados vivendo na sujeira em fábrica de filhotes na divisa de Minnesota com o Iowa, EUA

O departamento de polícia do condado de Worth tem recebido ligações a respeito do White Fire Kennel, um criadouro de cães na divisa entre Minnesota e Iowa, desde a primavera. Grupos de direitos dos animais reclamaram das condições de superlotação e de cães sem água limpa.

Durante meses, o departamento do xerife tentou convencer o proprietário a melhorar as condições. Talvez desistir de alguns dos cachorros, pelo menos. “Mas novos cães continuavam a chegar”, diz o xerife do Condado de Worth, Dan Frank, “tão rápido que a polícia nunca conseguia avançar”.

Finalmente, em 12 de novembro, um mandado de busca permitiu que o departamento do xerife e a American Society for the Prevention of Cruelty to Animals (ASPCA) interviessem. Eles não gostaram do que encontraram.

Cerca de 170 samoiedas, conhecidos por sua pelagem branca e fofa e suas expressões de ursinho de pelúcia, estavam amontoados em canis “em ruínas”. Havia pouco para proteger os cães das temperaturas abaixo de zero do lado de fora. Os pisos eram em sua maioria terra, ou às vezes madeira, encharcados de lama e fezes. Os pelos parecidos com nuvens dos animais estavam sujos e emaranhados. Alguns não socializavam e estavam isolados e aterrorizados.

Frank está na polícia há quase duas décadas. Este foi o primeiro criadouro de filhotes em que ele esteve. Mas a ASPCA já passou por aquilo algumas vezes. Muitas instalações de reprodução economizam ao máximo para maximizar os lucros, contou o vice-presidente Tim Rickey em um comunicado, e os filhotes que eles produzem em geral acabam com “problemas de saúde e de comportamento”.

O departamento do xerife e a ASPCA trabalharam para levar os cães para moradias temporárias em um local não revelado, onde receberam exames médicos, avaliações de comportamento e muitos brinquedos e presentes.

Eles estão “indo muito bem”, diz Frank. A ASPCA, “como um pequeno exército”, assumiu o comando e vem fazendo “um tremendo trabalho” ao cuidar deles.

A investigação ainda está em andamento e as cobranças ainda estão pendentes. Frank recebeu meia dúzia de telefonemas de proprietários preocupados que dizem que viram as condições terríveis quando adotaram seus próprios animais de estimação. Alguns tinham histórias sobre a fábrica que datam de três ou quatro anos atrás e estavam mais do que prontos para testemunhar.

“Que Deus os abençoe” por sua disposição em ajudar, diz o xerife. Mas teria sido bom se tivessem falado isso três ou quatro anos atrás.

“As pessoas têm que relatar coisas assim.”

Por Hannah Jones / Tradução de Alda Lima 

Fonte: City Pages 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.