20 elefantes capturados após entrarem em zona residencial em Moçambique

20 elefantes capturados após entrarem em zona residencial em Moçambique

As autoridades moçambicanas capturaram 20 elefantes de um total de 45 que têm invadido um espaço residencial próximo à Reserva Especial de Maputo, anunciou fonte oficial.

Os animais têm provocado estragos nos campos agrícolas e em residências da localidade de Salamanga, em Matutuine, e as autoridades decidiram levá-los para uma área de conservação mais ampla: o Parque Nacional de Zinave, localizado na província de Inhambane, disse à comunicação social Miguel Gonçalves, administrador da Reserva Especial de Maputo.

“O número de elefantes está a crescer consideravelmente e, consequentemente, alguns grupos de elefantes começam a procurar espaços fora da reserva, trazendo com isso algum potencial conflito com as comunidades”, declarou.

De acordo com a fonte, além de evitar o conflito, a decisão de levar os animais para uma nova área está dentro das estratégias que têm sido desenvolvidas para repovoar a população de elefantes em reservas e parques de todo país.

Ocupando uma área de 1.040 quilómetros quadrados, a Reserva Especial de Maputo foi estabelecida em 1960 e está localizada a 68 quilómetros do centro da capital, Maputo.

O Governo moçambicano e parceiros têm estado a implementar vários projetos para preservar o ecossistema nesta área, considerada um santuário da vida selvagem junto à costa e também na fronteira mais a sul entre Moçambique e África do Sul.

A caça furtiva em Moçambique tem sido uma grave ameaça à vida selvagem no país, tendo reduzido drasticamente algumas espécies, segundo dados oficiais.

Segundo os últimos dados da ANAC, desde 2009, o país perdeu pelo menos dez mil elefantes e, só na Reserva do Niassa, com uma extensão de 42.400 quilómetros quadrados, o número total desta espécie passou de 12.000 para 4.400 em três anos (entre 2011 e 2014).

Relatórios mais recentes indicam que o país perdeu, entre 2011 e 2016, 48% da população de elefantes.

Fonte: MMO / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.