25 mil animais morrem antes de chegar aos pet shops no Japão

25 mil animais morrem antes de chegar aos pet shops no Japão

Depois da revisão de proteção aos animais (novembro de 2013), os criadores e os petshops são obrigados a entregarem um documento sobre as vendas de cães e gatos para as associações de moradores. O Asahi Shimbum fez uma apuração em 99 associações de moradores em todo o Japão sobre os relatórios de 2014 e 2015.

O resultado obtido mostra que, no ano fiscal de 2015, cerca de 691 mil cães e 156 mil gatos foram vendidos ou doados. Em comparação ao ano fiscal anterior, o número de estabelecimentos que entregaram o documento às associações de moradores foi menor, mas, mesmo assim, teve-se um aumento de 75 mil cães (12%) e 23 mil gatos (17%) distribuídos pelo país.

No período entre a reprodução e as vendas de varejo, o número de animais mortos durante o processo de distribuição (exclui-se os abortos espontâneos e os nascidos mortos) foi de 19.866 cães e 5.088 gatos, 24.954 ao total. No ano fiscal de 2014, o número de animais mortos foi de 23.181 e, em ambos os anos, esse número foi equivalente a 3% da quantidade de animais distribuídos.

Esses números são 33 vezes maiores do que os valores estimados quando o Ministério do Meio Ambiente pesquisou os petshops em 2009.

Em outra pesquisa do Ministério do Meio Ambiente, o número de animais sacrificados pelos governos locais de todo o país no ano fiscal de 2015 foi de 15.811 cães e 67.091 gatos. Com a ajuda dos grupos cívicos e governos locais, a consciência de proteger os cães e gatos está aumentando, mas é preocupante o aumento dos casos de abandono de animais no Japão.

“Os animais de estimação são membros de nossa família. A medicina veterinária evoluiu e os animais conseguem viver por muito mais tempo. Desejo que os donos construam um ambiente onde os cães e gatos consigam viver felizes e confortáveis por bastante tempo,” disse o o veterinário Nai Machiya, membro da Japan Animal Welfare Society (JAWS).

Fonte: Portal Mie  (com informações de Asahi Shimbum)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.