25 pinguins são encontrados no Litoral Norte de SC; seis estavam vivos

25 pinguins são encontrados no Litoral Norte de SC; seis estavam vivos

Vinte e cinco pinguins-de-Magalhães foram encontrados em praias de seis cidades do Litoral Norte de Santa Catarina na tarde da última quarta-feira (17). Eles estavam em diferentes locais do trecho monitorado pelo Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), da Univali. Seis pinguins estavam vivos e foram encaminhados à Unidade de Estabilização de Animais Marinhos, em Penha.

Os pinguins vivos estavam encalhados nas praias de Piçarras (Balneário Piçarras – duas ocorrências), Estaleirinho (Balneário Camboriú), Tabuleiro (Barra Velha), Armação e Praia Vermelha (Penha). Todos são juvenis e estavam debilitados no momento do resgate. Eles receberam os primeiros cuidados veterinários e passarão pelo processo de estabilização.

Segundo o PMP-BS, um dos pinguins vivos resgatado em Balneário Piçarras estava preso em uma rede de pesca, com marcas evidentes próximo ao bico. As redes irregulares, principalmente as feiticeiras, estão entre as principais causas de morte da espécie nesse período de migração.

Dos 19 pinguins sem vida, seis estavam na Praia da Península, em Barra Velha, e um na praia central do município. Os demais foram encontrados em Navegantes (5), Penha (4), Balneário Piçarras (2) e Itajaí (1). Em Itajaí, o animal foi encontrado na valeta da Praia de Cabeçudas. Algumas pessoas afirmaram que estava emalhado e sofreu agressão.

As carcaças que estavam em avançado estágio de decomposição foram registradas pelos técnicos de campo, enterradas ou deixadas no local, conforme orientação dos órgãos ambientais. A decomposição é um ciclo natural e fundamental para o meio ambiente, de acordo com o PMP-BS.

​Iniciada temporada de pinguins-de-Magalhães nas praias de Florianópolis​

Unidade de estabilização está cuidando dos pinguins vivos. (Foto: PMP-BS, Divulgação)

O que fazer ao encontrar um pinguim

Ao avistar um pinguim debilitado na faixa de areia, ligue imediatamente para o PMP-BS pelo telefone 0800 642 3341. A ligação é gratuita e funciona das 8h às 17h30min. Informe a praia, o município e um ponto de referência.

Caso seja possível, coloque o animal em uma caixa de papelão, o mantenha aquecido com um pano seco e aguarde a chegada da equipe. Não molhe e não ofereça alimento. Essa orientação é válida para pinguins que estejam na faixa de areia sem se mover.

Nesta época do ano, os pinguins partem de colônias reprodutivas na Argentina, Ilhas Malvinas e Chile rumo ao litoral brasileiro em busca de alimento e de águas mais quentes. Os grupos são formados principalmente por indivíduos juvenis, que se aventuram na primeira migração.

O movimento migratório da espécie é influenciado pela corrente das Malvinas (Falklands). Essa corrente possui uma força de água fria que atinge a plataforma continental brasileira. As migrações são anuais e sazonais, ocorrendo entre maio e setembro.

Conheça o projeto de monitoramento de praias

O PMP-BS é uma atividade desenvolvida para o atendimento de condicionante do licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos.

Tem como objetivo avaliar possíveis impactos das atividades de produção e escoamento de petróleo sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, através do monitoramento das praias e atendimento veterinário aos animais vivos e necropsia dos encontrados mortos.

O PMP-BS é realizado desde Laguna (SC) até Saquarema (RJ), sendo dividido em 15 trechos. A Univali monitora o Trecho 4, compreendido entre Barra Velha e Governador Celso Ramos (SC).

Por Hassan Farias

Fonte: NSC Total

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.