30 milhões de cães e gatos vivem nas ruas do país; veja vídeo

30 milhões de cães e gatos vivem nas ruas do país; veja vídeo

Há dois milhões de cães e gatos abandonados na cidade de São Paulo. A estimativa é do Conselho Regional de Medicina Veterinária. Em todo o Brasil, o número chega a 30 milhões, nas contas da Organização Mundial de Saúde (OMS). O índice motiva a campanha “Quando a gente gosta, é claro que a gente cuida”, lançada nesta segunda-feira (13).
O carro-chefe desta tentativa de conscientização promovida pelos veterinários paulistas é um vídeo, “estrelado” por um cachorro de raça não definida. No roteiro, o abandono do animal em um lugar ermo e o primeiro dia em que vive na rua.

A música “Sozinho”, do compositor Peninha, foi escolhida como trilha sonora. “Eu tenho cinco cachorros e me preocupo bastante com a causa”, contou o artista, que cedeu os diretos da canção para o vídeo.

Presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo, Mário Eduardo Pulga ressaltou à coluna Bom Pra Cachorro, da Folha de S. Paulo, que o abandono deve ser tratado como um tópico de de saúde pública. “Aqui é o início de uma campanha que alerta para a importância e a consciência que é preciso ter ao se adquirir um animal”, diz.

Fonte: Notícias ao Minuto / mantida a grafia lusitana original


Nota do Olhar Animal: Muito positivo que os Conselhos Regionais de Medicina Veterinária entrem de fato na luta contra os maus-tratos, promovendo ações como a indicada na matéria. Parabéns ao CRMV de SP por esta ação específica. Colaboraria muito para este propósito se alguns destes Conselhos (inclusive o de SP) deixassem de dificultar a vida de veterinários que se dispõe a realizar trabalhos voluntários pelos animais, bem como se outros deixassem de apoiar atividades claramente danosas aos animais, como as vaquejadas e rodeios, apenas para conseguirem uma “boquinha” profissional junto a eventos abjetos, numa fictícia ação de preservação do “bem-estar” dos animais explorados nestas atividades. Os maus-tratos são inerentes a vaquejadas e rodeios, e é vergonhoso que alguns veterinários e órgãos desta classe afirmem o contrário. Estes são os que colaboram para desmoralizar esta maravilhosa profissão.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.