SC tubarao castracao

360 já foram castrados no Centro de Controle de Zoonoses de Tubarão, SC

O serviço de castração gratuita no Centro de Controle de Zoonoses – CCZ, em Tubarão, chegou à incrível marca de 360 animais castrados. O serviço, que iniciou no último mês de novembro, é oferecido à população de baixa renda e, claro, executado aos que moram no local. Três unidades foram capacitadas para fazer um levantamento dos animais das famílias de baixa rentabilidade. Agentes comunitários de saúde atuam no processo, inclusive com levantamento dos pets que necessitam de cirurgia. O trabalho está em andamento e um cadastro é realizado.

Segundo representantes da Fundação Municipal de Saúde, que gerencia o CCZ, houve amplas melhorias no setor, como a instalação da estação de efluentes, contratação de veterinário e profissional técnico, disponibilidade e coleta de container, disponibilidade de medicações e vacinas, entre outras adequações.

No último boletim atualizado, o CCZ estava com 65 cães. No local atuam um coordenador, dois serviços gerais, um profissional no setor administrativo, um veterinário e um técnico.

A quantidade de cães abandonados nas ruas em Tubarão ainda incomoda muitas pessoas que se preocupam com as doenças que podem ser transmitidas e com a saúde dos próprios animais. Em vários bairros é visível a presença de grupos de cachorros ou sozinhos, perambulando sem destino ou à procura de alimento.

O projeto do Centro de Controle de Zoonoses começou a sair do papel em 2009. Conforme o site Notisul, o trabalho de castração é feito pelas equipes de saúde, por meio das agentes comunitárias, que orientam os moradores.

A lei 3.759, de 2012, é muito clara em relação ao funcionamento do CCZ. Hoje, está atuante com alguns cães, mas não há espaço para abrigar tantos animais com a função de canil. A necessidade no município é muito grande, mas um canil teria que ter a capacidade mínima para dois mil cães e gatos, pelo menos.

Fonte: Sul in Foco

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.