4 homens corajosos assassinados por tentarem salvar estes elefantes

4 homens corajosos assassinados por tentarem salvar estes elefantes

Por Ameena Schelling / Tradução Alice Wehrle Gomide

Todo mundo sabe que a caça ilegal é uma prática mortal – mas os elefantes não são as únicas vítimas.

Quatro homens deram suas vidas no último dia 5 em uma tentativa de impedir que mais elefantes morressem. De acordo com os oficiais do Garamba National Park do Congo, na África, um grupo de 10 homens estavam seguindo o sinal do colar de um elefante morto quando chegaram no acampamento dos caçadores. Eles estavam em menor número, e os caçadores abriram fogo contra eles.

Congo homens corajosos assassinados

Um helicóptero foi enviado para resgatar seis homens do grupo, um deles com ferimentos. O helicóptero foi danificado pelos tiros e não conseguiu voltar para resgatar os outros quatro homens. Seus corpos foram recuperados 3 dias depois.

Os mortos incluíam três guardas-florestais, Anselme Kimbesa Muhindo, Andre Gada Migifuloyo e Djuma Adalu Uweko, e o Coronel Jacques Sukamate Lusengo, um membro das Forças Armadas do Congo, que estava ajudando nas patrulhas. De acordo com o African Parks, eles deixaram suas esposas e 14 crianças.

Congo homens corajosos assassinados2

Não há dúvida que a caça ilegal está acabando com os elefantes selvagens; a população de elefantes africanos caiu de vários milhões na virada do século para cerca de 500.000 hoje, principalmente pelo tráfico de marfim. Estima-se que 100.000 foram mortos somente entre 2010 e 2012.

Mas a perda humana é frequentemente muito subestimada. Muitos caçadores possuem laços com organizações criminosas, incluindo cartéis de narcóticos e até mesmo grupos terroristas, pela África e Ásia, que já são homens perigosos por natureza para os que são ligados a eles.

Mas também são perigosos para homens como estes, pessoas inocentes que só queriam salvar elefantes. Ao invés disso, o número de humanos mortos pela caça ilegal aumentou um pouco mais.

Fonte: The Dodo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.