59 pássaros silvestres são apreendidos em Bauru, SP

59 pássaros silvestres são apreendidos em Bauru, SP

Polícia Ambiental acredita que local seja um ponto de tráfico de aves e localizou também material de caça; suspeito alega ser apenas um colecionador.

Por Cinthia Milanez

SP Bauru animais silvestres apreendidos

A Polícia Militar Ambiental apreendeu 59 pássaros silvestres de sete espécies diferentes, sendo uma em perigo de extinção, no bairro Nova Bauru, nessa segunda-feira (26) pela manhã. Inclusive, a corporação acredita que o local onde os animais estavam seja um ponto de tráfico de aves. O responsável, A.R.L., (somente as iniciais foram divulgadas) 59 anos, responderá o processo criminal em liberdade, mas terá de pagar uma multa administrativa no valor de R$ 184,5 mil.

Segundo o cabo Alex Martins Pereira, da Polícia Ambiental, o órgão recebeu uma denúncia anônima de que, na rua Agenor Martins Vieira, havia comercialização de aves silvestres. Os policiais, então, se dirigiram até o local e quem atendeu a porta foi o suspeito, que acompanhou a fiscalização, mas teria afirmado que não vende os pássaros, apenas os coleciona.

Na casa do suspeito, os militares apreenderam 59 pássaros silvestres, uma rede de caça, 56 anilhas possivelmente adulteradas, dois alargadores de anilhas, uma caixa utilizada para o transporte de aves após a caça, três alçapões, 66 munições de calibre 38 e nove munições de calibre 44 de uso restrito das Forças Armadas. Além disso, alguns animais se debatiam bastante nas gaiolas, fato que indica que acabaram de ser capturados.

Entre as sete espécies de pássaros, a Polícia Ambiental identificou: papagaio, canários-da-terra-verdadeiros, bigodinhos, azulões (em extinção), pássaros-pretos, coleirinhos-papa-capim e trinca-ferros. Inclusive, uma ave dessa última espécie estava com o corpo ensanguentado, porque tentou, em vão, escapar de uma pequena gaiola que dividia com outros três animais. Segundo a polícia, dependendo do canto, uma ave dessa espécie vale de R$ 3 mil a R$ 50 mil.

Tráfico?

“Nós acreditamos que se configure tráfico de aves. Há fortes indícios de que o suspeito caçava ou comprava os animais para vender”, defende o cabo Alexandro Pelegrini. Entre os 59 pássaros, o papagaio e outros oito animais não utilizavam anilha. Como a primeira ave já está domesticada, será adotada. Já as demais serão reintroduzidas na natureza. O restante será encaminhado para a Associação Protetora dos Animais Silvestres (Apas) de Assis, que os devolverá à natureza.

Após fazer as apreensões, a polícia encaminhou os materiais e o responsável até da Central de Polícia Judiciária (CPJ). O homem responderá o processo criminal em liberdade, mas foi multado administrativamente em R$ 184,5 mil por maus-tratos e manter animais silvestres em cativeiro. O caso foi enquadrado no artigo 29 da Lei de Crimes Ambientais, que dispõe sobre a manutenção de espécies silvestres em cativeiro.

Anilhas

A Polícia Ambiental esclarece que as anilhas encontradas na casa do suspeito eram, de fato, verdadeiras. Porém, como havia alargadores, é possível que elas tenham sido modificadas. “As anilhas poderiam ser retiradas dos pássaros que morriam e inseridas nos animais silvestres para enganar a fiscalização”, explica o soldado Lierson do Amaral Fernandes. Além disso, o suspeito apresentou uma planilha com a relação dos animais, que mostrava que todos estavam anilhados. Contudo, diversos pássaros foram encontrados sem o equipamento.

Fonte: JCNET

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.