A longa e controversa história da NASA com experimentação animal

A longa e controversa história da NASA com experimentação animal
Foto: NASA / Wikimedia

No final de 2020, surgiu um fato polêmico  sobre a Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (NASA). Um pedido de Liberdade de Informação (FoI) revelou que todos os macacos cativos em um de seus centros de pesquisa foram mortos em um único dia em 2019. A empresa de pesquisa de medicamentos, LifeSource Biomedical, que aluga espaço no centro da NASA, disse que recebeu todos os 27 macacos “anos atrás” como uma doação efetiva. O jornal Guardian descreveu a situação de vida dos macacos, antes de suas mortes, como um “acordo de cuidado conjunto” entre a NASA e a empresa.

Depois que a “eutanásia” em massa dos macacos veio à tona, o especialista em ética animal da Universidade do Novo México, John Gluck, comentou que os macacos “aparentemente não eram considerados dignos de uma chance de uma vida em um santuário”. Ele acrescentou: “Descarte, em vez da expressão de simples decência. Que vergonha para os responsáveis.”

A NASA, no entanto, não é desconhecida acerca de vergonha quando se trata do tratamento que a instituição dá aos animais não-humanos. Ela tem uma longa história de uso deles para experimentação.

Sem escolha para os chimpanzés

objetivo de muitos experimentos relacionados ao espaço que usam animais não humanos tem sido avaliar como os seres vivos reagem e lidam com as condições no espaço, para facilitar o caminho da exploração espacial por humanos. Desde os primeiros dias, os primatas têm sido uma espécie de referência para esses ensaios espaciais.

A Força Aérea dos Estados Unidos, como se sabe, enviou dois chimpanzés em voos espaciais na década de 1960. O primeiro foi um chimpanzé chamado Ham. Ele tinha apenas três anos na época, o que significa que ainda era um bebê. Um chimpanzé chamado Enos foi em seguida. Conforme o jornal Atlantic explicou, como resultado de um mau funcionamento, Enos foi submetido a 76 choques elétricos enquanto em órbita. Choques elétricos eram parte do curso para esses chimpanzés, tanto em treinamento quanto em órbita. Eles tinham que realizar tarefas e choques elétricos eram a punição por errarem. Mas um defeito técnico durante o voo de Enos fez com que, apesar de realizar suas tarefas da maneira certa, os choques continuassem constantemente .

Uma longa lista de seres vivos limitados ao espaço

Os dois chimpanzés estavam no meio de um grupo de 65 que as pessoas roubaram da natureza para os EUA usarem no programa espacial, de acordo com  o jornal Los Angeles Times. Como afirmou o meio de comunicação, a Força Aérea os sujeitou à  privação do sono e à centrifugação. Alguns também passaram por “testes de treino de descompressão”, que danificaram seus cérebros. Assim que a NASA não teve mais espaço para eles, tornaram-se “objetos de pesquisa para testes médicos e cosméticos”, relatou o Los Angeles Times.

A NASA não usou apenas chimpanzés em pesquisas espaciais. Ela colocou seis macacos rhesus em órbita no final dos anos 1940 e no início dos anos 1950. Nenhum dos macacos sobreviveu a esta provação por mais de algumas horas após o pouso. A NASA também usou moscas-das-frutascamundongos, rás-touros-americanas, aranhas e peixes nesses experimentos espaciais.

Os EUA também não estão sozinhos. A Rússia também enviou muitos animais não-humanos   ao espaço ao longo dos anos, sendo o mais famoso uma cadela chamada Laika. França, ChinaIrã estão entre os outros países que se envolveram na prática.

Controvérsia da radiação

Em 2010, um dos experimentos planejados pela NASA com macacos-esquilo causou protestos públicos. A agência queria expor 27 dos primatas a doses de radiação, para ajudá-la a “prever os efeitos neurocomportamentais da radiação espacial” nos astronautas. A organização de proteção animal PETA, personalidades importantes e vários membros do público condenaram o plano. Após o clamor, a NASA  arquivou os experimentos planejados.

Enquanto isso, a Cruelty Free International criticou outro experimento da NASA em 2016. A agência enviou um grupo de ratos ao espaço para fazer experimentos enquanto eles estavam em órbita. Como a Cruelty Free International explicou na época, os pesquisadores afirmaram que os experimentos “beneficiariam futuros astronautas e pacientes na Terra que sofrem de doenças de perda de massa muscular, como esclerose lateral amiotrófica (ELA, conhecida como ALS nos Estados Unidos)”.

Cruel e inútil

No entanto, o grupo argumentou que “a probabilidade desta pesquisa ser traduzida em qualquer tratamento significativo para humanos é extremamente baixa”. Ele disse que os pesquisadores testaram cerca de uma dúzia de medicamentos relacionados a ELA em animais não humanos na última década. Mas alegou que todos esses medicamentos “falharam em humanos” durante os testes clínicos, exceto um que teve “benefício mínimo”. Propriamente dito, a Cruelty Free International afirmou que o experimento foi “cruel e inútil”.

No artigo de 2014, a presidente da New England Anti-Vivissection Society, Theodora Capaldo, também questionou a eficiência da experimentação em animais não humanos. Ela escreveu que muitos “medicamentos que parecem seguros e eficazes em animais falham em humanos, ou causam danos significativos e até a morte”. Capaldo citou um estudo de 2004 da Food and Drug Administration dos EUA onde descobriu-se que 92% dos medicamentos que se submeteram a testes clínicos após pesquisas que envolveram animais não humanos não receberam aprovação. Ela questionou por que os pesquisadores não “transferiram o financiamento para tecnologias livres de animais promissoras” em vez de permanecer “presos a um modelo desenvolvido há mais de 100 anos”.

Alternativas éticas

Felizmente, alguns pesquisadores estão desenvolvendo alternativas aos testes em animais não- humanos. A cultura celular, ou seja, o cultivo de células humanas em laboratórios, é uma área a ser explorada. Os cientistas agora têm até mesmo cultivado  células humanas em  minúsculos suportes de uma forma que imita o funcionamento dos órgãos, conhecidos como “órgãos em um chip”. Estudos em humanos e em tecidos humanos doados por voluntários são opções adicionais. É claro que, em nossa era tecnológica, os pesquisadores também têm explorado como os modelos e algoritmos de computador podem fornecer alternativas aos testes em animais não humanos. Como Warren Casey, diretor do Centro Interagências do Programa Nacional de Toxicologia dos EUA para Avaliação de Métodos Toxicológicos Alternativos, apontou em 2019, as alternativas poderiam ser “muito mais baratas e mais rápidas” do que os testes em animais não humanos.

Sustentável também?

Casey disse: “ética, eficiência e relevância humana” conduzem a busca por alternativas. No entanto, indiscutivelmente, “sustentabilidade” também deve estar nessa lista.

A experimentação em animais não-humanos é baseada no antropocentrismo. Essa é essencialmente a ideia de que os humanos são o centro do universo e possuem um valor intrínseco único. Como tal, o antropocentrismo considera que todas as outras vidas são “menores” e podem ser sacrificadas para o bem “maior” humano.

É essa mentalidade que tem guiado as ações de muitos humanos em relação a outros animais de várias maneiras ao longo dos séculos. Como mostra a atual crise da biodiversidade , no entanto, o antropocentrismo é insustentável. Isso resultou em um rápido esgotamento das espécies do mundo. Para reverter essa farsa, a ONU exortou as pessoas a “fazerem as pazes com a natureza.” Para alguém ligado ao antropocentrismo, uma maneira de fazer isso seria desacelerar seriamente sua mentalidade centrada no ser humano.

É difícil pensar em uma ilustração melhor de crença na supremacia humana do que a experimentação em seres vivos não humanos terrestres apenas para tornar mais fácil para as pessoas decolarem para o espaço. Assim, o pessoal da NASA poderia resolver as questões antropocêntricas dessa instituição e começar a fazer as pazes com a natureza, e não forçar outros animais a orbitarem a Terra e parar de testá-los em nome da exploração espacial.

Veja conteúdo relacionado:

Para obter mais artigos sobre animais, planeta Terra, vida, comida vegana, saúde e receitas publicado diariamente, assine o boletim informativo One Green Planet! Por último, o financiamento do público nos dá uma chance maior de continuarmos a fornecer conteúdo de alta qualidade. Considere nos apoiar com uma doação!

Tradução de Aline Amorim 

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.