Noruega colocará em andamento o projeto da polícia de proteção animal

 Tradução de Marli Vaz de Lima

A Noruega anunciou que implementará iniciativas para proteger o bem-estar dos animais, incluindo reforçar o papel da polícia nos casos de crimes de maus-tratos contra os animais.

O Ministério da Agricultura e da Alimentação, em cooperação com o Ministério da Justiça e Segurança Pública, está fazendo do bem-estar animal um objetivo prioritário, e os dois ministérios presidem uma comissão conjunta para preparar as medidas, disse o governo norueguês em um comunicado de imprensa.

A iniciativa mais importante é o projeto piloto de polícia de proteção aos animais que será atribuído ao departamento de polícia de Troendelag do Sul, o que permitirá um processo judicial pleno contra quem cometer delitos contra os animais.

“Isto também poderia evitar a violência e o abuso de humanos. A crueldade animal é associada à violência doméstica e à violência contra a mulher, que prejudica os inocentes”, disse a ministra da Agricultura e da Alimentação da Noruega, Sylvi Listhaug.

O propósito do projeto de polícia da proteção animal, que começará em 1º de setembro deste ano, é garantir que os responsáveis pelos delitos sérios contra os animais enfrentem um processo e sanções, completou o comunicado de imprensa.

De acordo com o serviço digital de notícias The Local na sua edição na Noruega, a iniciativa será colocada à prova durante três anos e a polícia do distrito oeste de Troendelag do Sul nomeará três pessoas, um investigador, um perito legal e um coordenador, para combater os maus-tratos aos animais.

Conforme as leis norueguesas, os atos de maus-tratos contra os animais implicam numa pena máxima de três anos de prisão. Unidades de polícia similares para a defesa dos direitos dos animais operam na Holanda e na Suécia.

Em 2014, foram notificados 38 casos de maus-tratos contra os animais à polícia da Noruega, segundo relatórios da emissora pública de rádio NRK, citados pelo noticiário The Local.

Fonte: Spanish.China.org.cn

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.