Abalados, tutores dos animais encontrados mortos em sacos de lixos fazem reconhecimento

Abalados, tutores dos animais encontrados mortos em sacos de lixos fazem reconhecimento

Pelo menos três tutores já fizeram o reconhecimento dos animais que foram encontrados mortos, congelados e dentro de sacos plásticos na cidade de Parnaíba.

Vinte animais – 12 gatos e oito cães – foram abandonados próximo ao Terminal Rodoviário da cidade e localizados por garis. Bastante abalados, os tutores reconhecem os pets e prestam depoimento à polícia.

O delegado do 1º Distrito Policial, Ayslan Magalhães, disse ao Cidadeverde.com que há indícios de descarte ilegal de animais podendo caracterizar crime ambiental.

“Não há indícios de maus-tratos. Os animais chegaram à clínica doente e a suspeita é de descarte ilegal. Alguns animais estavam com viroses e deveriam ter sido levados para um local apropriado ou aterro sanitário para não contaminar outros animais e nem o meio ambiente”, disse o delegado.

A Polícia Civil fez parceria com o Centro de Controle e Zoonoses de Parnaíba para ajudar na identificação dos animais. Peritos do IML analisam os pets.

Tutores abalados

A cena chocou os tutores que tiveram que reconhecer seus animais no Centro de Controle e Zoonoses. Alguns deles chegaram a chorar, segundo apurou o Cidadeverde.com.

Os pets foram encontrados com suturas, ainda com fraldas, uns castrados, outros cirurgiados.

O delegado pediu que os tutores dos animais procurem o 1º DP (no bairro Catanduvas) para ajudar na investigação.

O diretor da Zoonose de Parnaíba, Vitor Dourado, disse que o crime chocou a cidade.

“A primeira vez que vemos isso. O centro de Zoonoses fez parceria com o IML cedendo espaço para ajudar no reconhecimento. Estamos todos traumatizados e nos solidarizamos com os tutores que estão abalados com essa situação”, disse Vitor Dourado.

A Secretaria Estadual de Meio Ambiente divulgou nota informando que estava acompanhando a investigação.

Por José Ferreira

Fonte: Cidades na Net

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.