Abandonos, morte e tristeza rondam portão da UIPA, em Jundiaí, SP

Abandonos, morte e tristeza rondam portão da UIPA, em Jundiaí, SP

A UIPA de Jundiaí fica no Ivoturucaia, um bairro da zona rural, cheio de chácaras. Um lugar aprazível. Mas a realidade de cães e gatos deixados portão da entidade é muito diferente. Hoje, além dos animais abandonados, quem trabalha na UIPA convive mais do que nunca convive com a tristeza, assim com observam mortes que poderiam ter sido evitadas rondam o local.

A instituição sempre atendeu além de sua capacidade. Porém, por determinação do promotor de Meio Ambiente, Claudemir Battalini, não pode mais receber animais. A ordem é cumprida pelos funcionários. No entanto, não impede que pessoas sem literalmente joguem cachorros e gatos por cima dos muros da UIPA.

Recentemente, um cão foi encontrado morto nas proximidades da entidade (foto principal). Filhotes de gatos deixados na rua foram levados para a UIPA. Um gato siamês, machucado, só não foi deixado lá porque a pessoa que o localizou foi convencida a cuidar dele temporariamente. A família não o quer mais. Um gato branco foi achado na rua Senador Fonseca, sem rumo, com fome e miando desesperadamente. Hoje está em um lar transitório.

Debea – A manhã de terça-feira (6) registrou movimento acima do normal no Departamento de Bem-Estar Animal (Debea). Foram realizadas 87 castrações de animais de 11 protetoras de Jundiaí. A iniciativa já faz parte das ações pactuadas para o atendimento do órgão para este ano.

Ednéia Grillo levou 16 animais para serem castrados. Todos de moradores do Jardim Fepasa. “Meu trabalho é voluntário. As pessoas me procuraram para que eu leve para a castração. Tem gente que não sabe como é o procedimento”, comentou, enquanto aguardava a recuperação anestésica dos cães.

Elizabeth Zulpo, também protetora, levou 12 cães para o mutirão. “Os cães têm donos. Eu faço a intermediação da população com o Debea. Esses que trouxe hoje são do Caxambu, Sorocabana, Toca e outros bairros. Esse mutirão vem em boa hora”, comentou.

Mais datas – Segundo a diretora do Debea, Alessandra Benedetti Ferreira, a realização do mutirão exclusivo já é uma ação que vem a somar com as atividades já realizadas rotineiramente no departamento, para promover o bem estar dos animais. “Realizamos castrações e microchipagem dos animais em registro pelo 156, às terças, quartas e quintas-feiras, semanalmente. Já para este mutirão, organizado exclusivamente para as protetoras, realizamos 90 agendamentos e 87 animais foram trazidos. Faz parte das medidas para ampliar o atendimento ofertado” comenta a diretora.

A licitação para a contratação de empresa responsável pelas castrações em mutirão está em fase final. A expectativa do Debea é de que as primeiras agendas sejam iniciadas ainda no primeiro semestre.

Fonte: Jundiaí Agora

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.