Cães em canil, em Cidade Ocidental, Goiás — Foto: TV Anhanguera/Reprodução

Abrigo para cães abandonados precisa de doações de ração e galões de água, em Cidade Ocidental, GO

Um canil que abriga 23 cães e 15 filhotes pede doações de ração e galões de água, em Cidade Ocidental, no Entorno do Distrito Federal. O espaço cuida de cachorros de rua abandonados, vítimas de maus-tratos e com problemas de saúde. O local é mantido por protetores que reúnem doações e enfrentam a falta de rede de abastecimento de água para cuidar dos bichos.

VÍDEO: Protetor de animais pede doação para alimentar cães abandonados, em Cidade Ocidental

O responsável pelo canil, Ihago Barbosa, começou a cuidar de cães abandonados há dois anos. Ele construiu o canil ao lado de casa e conta que vive uma ‘luta’ diária para conseguir alimento para os cães. “Conseguir comida é uma luta constante, tem dias que não tem, hoje mesmo não tinha, mas uma voluntária trouxe dois sacos de ração.

“É uma luta, vivemos um dia após o outro“, conta o protetor de animais.

Um dos cães que vivem no local foi resgatado depois de ter sido esfaqueado na barriga, em São Sebastião, no Distrito Federal. Outro caso de maus tratos, é o de um cão que levou uma pancada na cabeça e ficou com sequelas.

A voluntária Karla Patrícia do Nascimento conta que encontra animais abandonados de forma precária que necessitam de cuidados. “Encontramos os cães abandonados sempre assustados, tristes, vivendo em ‘estado de rua’ e de forma precária”, conta a voluntária.

Falta d’água

Ihago Barbosa conta que o canil não tem rede de abastecimento de água e a única cisterna se encontra seca por conta do período de estiagem. Os voluntários conseguiram pegar alguns litros d’agua, na casa de vizinhos, para dar aos animais.

“Já chegamos a ter 60 cães, mas reduzimos bastante pela falta d’agua. Depois de fazer o resgate dos animais de rua, a gente precisa dar banho, é muito carrapato, muita pulga e isso pode gerar infestação nos outros cães”, conta o protetor de animais.

Diante da dificuldade, a voluntária Karla Patrícia do Nascimento conta da gratidão e da recepção que sente dos animais resgatados que já vivem no canil.

“Eu chego e, assim que entro, sou recepcionada com abraço e beijo. É um sentimento de gratidão, posso chegar com qualquer problema, que ao entrar aqui, fico super feliz”, conta a voluntária.

Por Vanessa Chaves, G1 GO (integrante do programa de estágio entre TV Anhanguera e Pontifícia Universidade Católica de Goiás, sob orientação de Elisângela Nascimento)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.