Açougueiro persegue bezerro que escapou de sua loja e corta sua garganta do lado de fora de outra loja

Açougueiro persegue bezerro que escapou de sua loja e corta sua garganta do lado de fora de outra loja

Um açougueiro perseguiu um bezerro que escapou da sua loja e cortou sua garganta do lado de fora de uma loja de ferragens.

O bezerro escapou da Saba Live Poultry em Bloomfield, Connecticut, em 13 de julho, e atravessou uma rua atrás da loja.

Imagens da câmera de policiais que perseguem o animal mostram o bezerro se desviando de várias pessoas que tentavam encurralá-lo. Um empreiteiro anônimo que trabalhava nas proximidades até tentou derrubar o animal com uma besta, mas errou a pontaria.

Funcionários do açougue finalmente conseguiram subjugar o bezerro em um estacionamento da Home Depot, então, Badr Musaed, que trabalha na Saba Live Poultry, cortou sua garganta.

O incidente deixou indignados ativistas dos direitos dos animais, que condenaram o abate público. A loja Saba Live Poultry é halal, o que significa que mata animais usando facas de acordo com a lei islâmica.

Bilal Musid, gerente do açougue, pediu desculpas pelo assassinato público, mas alegou que seus funcionários temiam que o animal ferisse alguém.

Ele disse: “Ele estava até meio que atacando funcionários… eu entendo a raiva, mas também não queria que isso acontecesse”.

Em imagens que capturaram o incidente, ouve-se um policial dizer a Musaed, enquanto ele segura o que parece ser um trapo sangrento, que matar o animal seria um problema, especialmente porque um espectador estava assistindo.

“Esse garoto aqui acabou de ver você cortar a garganta de uma vaca”, diz o oficial. 

Musaed responde que o homem é cliente frequente do açougue, mas o policial responde: “Ok, mas não estamos na sua loja agora. Estamos na parte de trás de um armazém central”.

A Saba Live Poultry foi fechada temporariamente após autoridades citarem que o açougue não aderiu ao código. – Foto: WFSB

As pessoas começaram a expressar raiva na página do Facebook do açougue, que foi desativada temporariamente. O site do Yelp da empresa também foi suspenso por causa da atenção da mídia e de comentários antimuçulmanos.

O capitão Stephen Hajdasz, um oficial de informação pública da polícia de Bloomfield, disse que as autoridades estão considerando uma acusação de crueldade contra animais por Musaed e de conduta desordenada para o empreiteiro que tentou deter o animal com uma flecha.

O Departamento de Agricultura do estado investigou a loja após o incidente e enviou uma ordem de cessação, citando condições da instalação que resultariam em “danos iminentes e substanciais à saúde dos animais”. O pedido foi suspenso mais tarde.

No domingo, 40 pessoas participaram de uma vigília no estacionamento onde o animal foi morto. Depois, realizaram um protesto em frente à loja, disse Brandy Petrone, uma das organizadoras do evento.

Amber Canavan, porta-voz da People for Ethical Treatment of Animals, disse que todos que estão horrorizados com o incidente no estacionamento da Home Depot ficariam chocados se soubessem o que acontece em fazendas de abate em todo o país.

Canavan disse que a organização planeja colocar um outdoor perto de onde o animal foi morto, dizendo: “Eu sou eu, não carne. Veja o indivíduo. Seja vegano”.

Por Jacob Geanous / Tradução de Alda Lima

Fonte: Metro

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.