Adestrador é investigado por maus-tratos e estelionato em Joinville, SC

Adestrador é investigado por maus-tratos e estelionato em Joinville, SC
Adestrador é investigado por maus-tratos e estelionato em Joinville – Foto: Divulgação/ND

Os filhotes costumam levar alegria para os lares, mas alguns precisam de um “treininho” para deixar o comportamento infantil de lado. Por isso, não é incomum que os tutores procurem por adestradores para ajudar nessa missão. Em Joinville, no Norte de Santa Catarina, o que era para ser um alívio, se transformou em preocupação e revolta.

A artesã Andréia de Fátima Cardoso e o companheiro decidiram contratar um profissional para treinar o Bolt, o pitbull filhote da família. Depois da decisão, o casal pesquisou na internet e encontraram a página de um adestrador que chamou a atenção: lugar bonito, dezenas de vídeos de cães de raça obedecendo aos comandos do suposto profissional. Era exatamente o que o casal queria, mas quando foram buscar o Bolt, ao invés de entusiasmo, decepção e preocupação.

“O Bolt veio quase se arrastando na guia, sem força para nada, não obedeceu ao comando que ele deu. Ele queria mostrar o que ele tinha ensinado, mas o Bolt só fazia menção de entrar no carro. Eu fiquei arrasada de ver o meu cachorro daquele jeito, magro, sem força para nada, foi um momento de muito choque para nós porque nós achávamos que iríamos chegar lá e encontrar o nosso cachorro feliz, com saudades da gente, nem isso ele conseguiu esboçar. Ele só entrou no carro deitou e apagou”, lembra.

Sem relutar, os tutores imediatamente procuraram o veterinário e o diagnóstico, conta Andréia, foi de anemia, desidratação por falta de alimentação e vários ferimentos. “Ele estava todo mordido, todo machucado, assustado, foi um trauma muito grande”, diz.

A polícia foi acionada para investigar o caso e ao chegar o local, as imagens eram muito diferentes daquelas publicadas nas redes sociais.

“Verificamos que os animais eram mantidos em um local totalmente inadequado com falta de higiene, em comida e água fresca, a ração jogada no meio das fezes e da urina dos animais”, explica o delegado Paulo José Reis Venera.

Bolt foi encontrado sem força e cabisbaixo e foi diagnosticado com anemia e diversos ferimentos – Foto: Alphonsus Stofelli/NDTV

O delegado conta que a polícia esteve por três dias no local. No primeiro, um filhote foi resgatado em um “cubículo escuro”, no meio de fezes e urina, sem claridade. “No sábado retornamos para ver se o adestrador estava no local, mas observamos que não mudou nada, os animais estavam na mesma situação do dia anterior. Nesse dia resgatamos mais seis animais, todos eles foram levados para um lar temporário”, fala.

Além do caso de Bolt, outros foram denunciados à polícia, em um dos casos, o adestrador entrou em contato com os tutores informando que o cachorro havia fugido. O profissional não foi localizado pela polícia e, no local onde ele recebia os animais, foram apreendidos fios de cerca elétrica e coleiras com dispositivos de eletrochoque. A polícia suspeita que todos os objetos tenham sido usados durante o adestramento.

“Com base nisso, instauramos um inquérito para investigar a prática de maus-tratos e até crime de estelionato porque vamos verificar se ele possui qualificação para oferecer esse serviço”, finaliza.

Fonte: ND Mais

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.