Adolescente de MS joga papagaio em churrasqueira durante transmissão ao vivo pela internet

Adolescente de MS joga papagaio em churrasqueira durante transmissão ao vivo pela internet
Papagaio e cachorro são resgatados após casos de maus-tratos em MS — Foto: PCMS/Divulgação

Após uma denúncia feita nas redes sociais da ativista pelos animais, Luisa Mell, que mostra em vídeo um adolescente jogando um papagaio em uma churrasqueira, as polícias Militar e Civil de Água Clara (MS), a 179 km de Campo Grande, encontraram o adolescente infrator, de 13 anos. Além da ave, foi resgatado um cachorro, que também sofria de maus-tratos pelo menino.

Os abusos aos animais teriam sido gravados em transmissão ao vivo, feita pela internet. Depois de tomar ciência do caso, uma equipe conjunta entre as polícias foi montada e as diligências iniciadas. O delegado do caso, Felipe Madeira, explicou que a partir do nome do adolescente na transmissão, tinham a ideia de que ele poderia ser morador de Água Clara (MS).

Ao chegar na residência do adolescente, Madeira explica que o menino tentou se esconder nos fundos da casa, e no momento que questionaram a mãe do menino sobre o fato, a mesma ficou “abismada com o vídeo”.

“O adolescente tentou se esconder, sabia que estava devendo, conversamos com a mãe e ela não sabia porque estávamos lá. Mostramos o vídeo para ela e ficou bem abalada”, explicou o delegado.

No vídeo, segundo o delegado, ” mostra o adolescente colocando o papagaio dentre de uma churrasqueira, o menino disse que não estava acessa, mas não sabemos, pois no vídeo não dá para identificar. Depois ele pega o cachorro da família e coloca o pênis dele na boca do animal várias vezes”, detalhou Madeira.

O delegado explicou que o adolescente não responderá por nenhum ato de infração. “A lei exige situações específicas para apreensão de menor infrator e esta não se encaixam em nenhuma delas. Em princípio os pais não vão responder pelo crime também”, disse Madeira. 

Organização de maus-tratos aos animais
 
“Nós tomamos consciência que era uma coisa maior daquilo que imaginávamos”, disse Madeira ao ser questionado sobre o vídeo dos maus-tratos divulgado em uma transmissão ao vivo, pela internet.

O delegado explicou que depois do depoimento do adolescente, descobriram que a transmissão dos maus-tratos eram feitas em um grupo de pessoas, composto de forma hierárquica e “que a prática dos atos possibilitava obter cargos de maior importância no grupo”, destaca a nota das polícias.

“Na verdade é um grupo de adolescentes, que pela internet, praticam vários atos de maus tratos. Eles faziam isso como forma de se afirmar nesse grupo e subir de cargo, é uma coisa muito espúria”, afirmou Madeira. 

Segundo o adolescente, com informações prestadas às polícias, as instruções para os maus-tratos eram dadas pelos líderes do grupo, que já ocupavam cargos mais altos. “Um dos membros, inclusive, havia matado um gato a pauladas recentemente e filmado a cena, vídeo ao qual o adolescente teve acesso antes de ingressar no grupo”, complementou.

O delegado informou que foram apreendidos um aparelho celular e um computador do adolescente, que confessou imediatamente os atos infracionais.

A polícia informou que no depoimento do menino ele “recebia instruções de outras pessoas em grupos de chat voltados para este tipo de prática, e então as seguia. O conduzido afirmou, ainda, que havia praticado a mesma conduta outras duas vezes, sendo que nessas balançava o papagaio e o fazia cair no chão”, finalizou o delegado.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.