Aeroporto de Guarulhos terá que pagar por tratamento da cadela Pandora

Aeroporto de Guarulhos terá que pagar por tratamento da cadela Pandora
Arquivo Pessoal

 A Justiça de São Paulo determinou que o Aeroporto de Guarulhos deve pagar as despesas do tratamento veterinário e da internação de cachorra Pandora, que desapareceu em 15 de dezembro durante a conexão de um voo da Gol, e só foi encontrada 45 dias depois.

Segundo a decisão da juíza Juliana Pitelli da Guia, da 5ª Vara Cível do Foro Regional do Jabaquara, o desaparecimento de Pandora “é fato incontroverso” e documentos apresentados por seu tutor mostram que o animal “apresentou severo emagrecimento e necessita de tratamento”.

A juíza ainda determinou que a Gol deverá arcar com a hospedagem, alimentação diária e transporte dos tutores, que moram em outro estado, por pelo menos 15 dias. Mas essa obrigação poderá ser renovada periodicamente caso haja necessidade.

Em caso de descumprimento, tanto a companhia aérea quanto o aeroporto deverão pagar R$ 1 mil de multa.

Sumiço durou 45 dias

Reinaldo, tutor da cachorra, estava viajando para a Suíça com a cachorra, pois ele recebeu uma proposta de emprego no país e passaria a trabalhar lá.

Ele saiu de Recife (PE) e, antes de chegar ao destino, ficaria um mês em Navegantes, em Santa Catarina. Pandora foi transportada no bagageiro do avião e foi perdida no voo de conexão em Guarulhos.

O tutor foi informado que a cadela havia escapado de sua caixa transportadora e se perdeu no aeroporto.

Ele iniciou uma campanha nas redes sociais expondo o caso e organizações de proteção aos animais se sensibilizaram, e lhe ajudaram a encontrar Pandora, que foi encontrada dentro do próprio aeroporto de Guarulhos em 30 de janeiro.

Por Hyndara Freitas

Fonte: Metrópoles

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.