Aeroporto Internacional JFK combate tráfico ilegal de animais selvagens

Aeroporto Internacional JFK combate tráfico ilegal de animais selvagens

US JFK trafico 06172014 AP118931423044-300

As instalações do Aeroporto Internacional John F. Kennedy que servem para manter o comércio seguro e ajudar a combater o tráfico ilegal de animais selvagens foram o destaque de uma visita do representante de Comércio dos EUA, Michael Froman, e do deputado Gregory Meeks.

Durante o evento de 16 de junho, Froman e Meeks enfatizaram os benefícios da agenda de comércio do presidente Obama e ressaltaram o papel que o Aeroporto Internacional JFK desempenha no combate ao comércio ilegal de espécies em perigo de extinção.

“Os principais centros de exportação como o Aeroporto Internacional JFK fazem uma contribuição inestimável para a economia dos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, trabalham para ajudar a manter o comércio seguro”, afirmou o representante de Comércio. “Hoje conhecemos em primeira mão o trabalho que funcionários do JFK estão fazendo para reforçar a luta contra o tráfico internacional ilegal de vida selvagem, que é uma prioridade em dois dos maiores acordos comerciais que estamos negociando e que são parte da ampla estratégia do governo Obama para combater o tráfico de vida selvagem.”

O Escritório do Representante de Comércio dos EUA (USTR) está trabalhando para resolver a crise global através da expansão dos esforços para combater o tráfico ilegal de vida selvagem na Parceria Transpacífica com a região do Pacífico Asiático e na Parceria Transatlântica de Comércio e Investimentos com a União Europeia.

“Aprecio muito o embaixador Froman tirar um tempo de sua exigente agenda para uma visita ao Aeroporto Internacional John F. Kennedy, e para uma mesa-redonda na Faculdade de York”, afirmou Meeks. “O embaixador Froman foi capaz de ver em primeira mão os esforços no aeroporto para combater o tráfico ilegal de vida selvagem e para interceptar a pirataria de propriedade intelectual.”

“A alta demanda por produtos derivados de animais selvagens está causando um impacto devastador, com espécies emblemáticas como elefantes e rinocerontes enfrentando o risco de declínio significativo ou até mesmo de extinção”, afirmou a secretária do Interior, Sally Jewell, que planejou participar mas não pode comparecer devido a complicações de viagem. “A estratégia do presidente para combater o tráfico de vida selvagem, incluindo a diminuição da demanda interna e no exterior é importante para fortalecer a liderança de nossa nação na luta contra a ameaça da segurança global representada pelos mercados criminosos que incentivam a caça furtiva e o comércio ilegal.”

O tráfico ilegal internacional de espécies da vida selvagem tem aumentado nos últimos anos, impulsionado pelo aumento da demanda por itens como o chifre de rinoceronte e o marfim de efefante na Ásia. O comércio representa uma ameaça à segurança global, pois envolve elementos criminosos de todos os tipos, incluindo algumas entidades terroristas.

Froman disse a repórteres que os Estados Unidos consideram a caça furtiva uma ameaça, pois é impulsionada por elementos criminosos que usam os lucros do comércio ilegal de animais selvagens para financiar suas atividades.

O governo Obama está trabalhando para reduzir a demanda por produtos ilegais de origem animal no âmbito interno e no exterior. Em 11 de fevereiro, foi lançada a Estratégia Nacional para Combater o Tráfico de Vida Selvagem, um documento abrangente que orienta os esforços dos EUA para mitigar a crise do tráfico de vida selvagem. As metas da estratégia são: fortalecer a fiscalização, reduzir a demanda e criar parcerias para combater a caça furtiva e o comércio ilegal.

Muitas agências dos EUA, incluindo o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional, a USTR e o Departamento de Justiça, o Departamento de Segurança Interna e o Departamento de Estado estão participando do esforço.

Fonte: Departamento de Estado dos EUA

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.