Agora é lei! Em São Paulo, moradores de rua podem entrar em abrigos com seus animais de estimação

Agora é lei! Em São Paulo, moradores de rua podem entrar em abrigos com seus animais de estimação

Muitas pessoas se questionam sobre os motivos que levam boa parte dos moradores em situação de ruaa recusar passar a noite em abrigos, mesmo quando o frio na cidade está de lascar. As razões relatadas por eles são várias: localização ruim, uma vez que há vários abrigos construídos longe das regiões centrais da cidade, violência e risco de roubos, entre outras. Mas ter que abandonar os animais de estimação para entrar nesses lugares é uma das queixas mais comuns.

As amizades construídas entre os bichos e seus tutores nas ruas é tão forte que eles se recusam a deixá-los para trás e preferem passar (mais) uma noite difícil na rua, enfrentando fome e frio, entre tantos outros perrengues, a abandonar seus amigos peludos.

A difícil escolha, no entanto, promete estar com os dias contados para os moradores em situação de rua da cidade de São Paulo. A prefeitura sancionou lei que permite que todos os abrigos da capital paulista recebam os sem-teto junto com seus animais de estimação. Atualmente, há somente um abrigo que presta este serviço – e ele não é da prefeitura.

A nova medida autoriza a entrada de bichos de médio e pequeno porte não só em abrigos emergenciais, mas também em albergues, centros de serviço, restaurantes comunitários e casas de convivência. Ou seja, em todos os espaços idealizados pela prefeitura para prestar serviços aos moradores em situação de rua. Afinal, quem tem bichinhos sabe: só nos sentimos bem-vindos onde nossos peludos são bem-vindos também! Nada mais justo, não?

A prefeitura afirma não saber ainda como a medida se cumprirá na prática, mas promete ter todas as respostas até o fim do prazo de regulamentação da lei, que termina no fim de outubro. Estamos ansiosos (e de olho)!

Foto: Fábio Brito/Exposição Do Cinza à Cor

Fonte: Mairiporã Mil Grau

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.