Agropecuária é apontada por especialistas como uma das causas do surgimento de pandemias

Agropecuária é apontada por especialistas como uma das causas do surgimento de pandemias

Nas últimas décadas, a agropecuária tem sido terreno fértil para o desenvolvimento de novas doenças infecciosas devido à aglomeração de animais que vivem em condições precárias, abstraídos da natureza, em confinamento, e forçados a produzir mais para servirem ao consumo humano.


Todas essas condições são combustível para pandemias, não só da Covid-19. Outras futuras doenças contagiosas podem estar a caminho por conta desses fatores. Especialistas alertam que a situação já é crítica e se continuar assim tende a piorar, com a humanidade vivendo sob a ameaça de novos e diferentes surtos.

Índice

  1. Exploração da vida animal = pandemias
  2. Comércio de animais
  3. Agricultura orgânica e familiar
  4. A escolha do que comemos é um ato político e social
  5. Escolha fazer parte da solução
  6. É preciso o fim da agropecuária industrial
  7. Petição online pelo fim da agropecuária industrial

1. Exploração da vida animal = pandemias

Segundo o Greenpeace, mais de 70% da área agrícola da Terra é destinada à produção de carne e produtos de origem animal, considerando pastagens, lavouras para alimentação animal e fazendas.

A criação de animais e a agricultura industrial são os principais impulsionadores da destruição das florestas globais e os pesquisadores estimam que 31% das epidemias emergentes, como HIV, Ebola e Zika estão relacionadas à mudança no uso da terra e à invasão humana nas florestas tropicais.

Estima-se que 73% de todas as doenças infecciosas emergentes provêm de animais, e que os animais de criação possam ser vetores de um grande número de vírus e outros micro-organismos aos seres humanos, como exemplo, coronavírus e vírus influenza.

Fatos que ilustram esses apontamentos são as fazendas intensivas de aves e suínos, nas quais os animais são mantidos em contato próximo e vivem em um número muito grande de indivíduos concentrados no mesmo espaço, o que favorece a proliferação de doenças.

Por tudo isso, a Organização das Nações Unidas – ONU e a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar – EFSA identificam que a agropecuária contribui para disseminação de doenças infecciosas.

“As doenças transmitidas direta ou indiretamente por animais – incluindo gado – aos seres humanos são chamadas zoonoses. Uma grande proporção de todas as doenças infecciosas em humanos vem de animais”, disse Valentina Rizzi, especialista em doenças da EFSA, ao Jornal Independent.

2. Comércio de animais

Não podemos deixar de lembrar e abrir um parênteses que, além da criação de animais em fazendas para a produção de alimentos de origem animal, outra prática econômica que contribui para as pandemias é o mercado de animais vivos.

Há indícios de que foi neste tipo de comércio que a pandemia do coronavírus teve origem. Nestes lugares, animais aglomerados em péssimas condições de higiene são vendidos vivos para serem abatidos no momento da compra. É, como se diz, um apetite por carne fresca que faz com que este tipo de lugar ainda exista em pleno século XXI.

Uma campanha global foi criada pedindo o fechamento desses mercados seja por causa dos maus-tratos, seja por serem focos de doenças.

Outra prática mercantil é a que envolve o tráfico de animais silvestres. Para combater a exploração animal e mais pandemias existe a petição online Pare com o comércio dos animais silvestres, reivindicando o controle e a fiscalização a fim de acabar com essa prática insana.

3. Agricultura orgânica e familiar

Com relação à criação de animais para servirem ao consumo humano, já faz muito tempo que ambientalistas e ativistas pelo bem-estar animal solicitam à União Européia e aos Governos Nacionais que parem de investir ou dar subsídios públicos, para a agropecuária industrial e, ao invés disso, apoie a agricultura orgânica e familiar ou de pequena escala.

As pandemias só podem piorar se os animais continuarem sendo explorados. Não é de se surpreender que, em 2016, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA alertou para novas doenças amplificadas pela crescente população mundial de gado para carne e laticínios.

4. A escolha do que comemos é um ato político e social

Um  novo relatório da Compassion in World Farming-CIWF intitulado “A próxima pandemia está em nosso prato?”  confirma que milhares de animais em fazendas industriais desempenham um papel fundamental no surgimento de patógenos, e que os alimentos devem ser considerados um bem público. Por isso, o relatório propõe políticas econômicas que permitam uma agricultura sustentável e um sistema alimentar que seja mais “compassivo, nutritivo e justo”.

5. Escolha fazer parte da solução

Com a viabilização de ações mais sustentáveis, ecológicas e livres de exploração cruel dos animais, é possível gerar mudanças positivas, tais como:

  • Garantir o bem-estar animal
  • Combater as mudanças climáticas
  • Acabar com o desmatamento
  • Garantir alimentos nutritivos
  • Reduzir o uso da água e a poluição
  • Melhorar a qualidade do solo
  • Restaurar a biodiversidade
  • Criar os animais de forma saudável e ética
  • Parar com o uso frequente de antibióticos nas fazendas.

Se essas ações e investimentos benéficos não forem cristalizados, continuaremos sob o risco de novas pandemias e isto não só os cientistas estão falando, como estamos vivendo no mundo atual.

6. É preciso o fim da agropecuária industrial

De acordo com pesquisas do Greenpeace, o setor pecuário europeu tem o apoio da Política Agrícola Comum (PAC) e,  dessa forma, já recebe direta e indiretamente, através da produção de alimentos para animais, entre 28 e 32 bilhões de euros por ano em subsídios dos cofres públicos da União Europeia, de 18 a 20% do orçamento total.

A esmagadora maioria destes investimentos são direcionados para explorações agropecuárias intensivas e de grande escala, que fornecem mais de 72% dos produtos de origem animal para a UE, enquanto explorações agrícolas menores continuam a desaparecer por falta de apoio governamental.

7. Petição online pelo fim da agropecuária industrial

Visando promover as mudanças necessárias para acabar com todos esses desequilíbrios provocados pela agropecuária industrial, a Compassion in World Farming – CIWF criou um abaixo-assinado online direcionado para os Banco Mundial, Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, Corporação Financeira Internacional, Organização Mundial de Saúde, Organização Mundial de Saúde Animal, Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Para fazer parte dessa campanha e apoiar essa solução,  ASSINE A PETIÇÃO->AQUI 

Por um sistema alimentar que proteja o bem-estar animal, a saúde humana e o meio ambiente!

Por Deise Aur

Fonte: GreenMe


Nota do Olhar Animal: Lamentavelmente, a exploração de animais só importa para muitos quando ela causa danos aos próprios humanos. A pandemia e o foco circunstancial sobre a “indústria da morte” evidenciam isto. Não há aspecto moralmente relevante que diferencie humanos e não humanos, mas o que impera é a visão egocêntrica. Nem é possível dizer que se trata de uma visão antropocêntrica, porque a crença na supremacia humana pressupõe algum tipo de preocupação com a coletividade, que é raríssima em quem pensa desta forma. O antropocentrismo se presta apenas a camuflar o egocentrismo com uma fina e falsa pele de altruísmo.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.