Alunas de colégio de Candiba (BA) desenvolvem produto cicatrizante para atender animais de rua

Alunas de colégio de Candiba (BA) desenvolvem produto cicatrizante para atender animais de rua
Produto desenvolvido em Candiba. Foto: Reprodução Ascom/Secti

O contingente de cães que vivem nas ruas é um desafio para gestores públicos, além disso, é grande o número de animais que maltratados nas ruas. Após observar essa situação, as alunas do Colégio Estadual Antônio Batista, em Candiba, no sudoeste da Bahia, desenvolveram um cicatrizante .

O produto cicatrizante e anti-inflamatório foi desenvolvido pelas alunas Franciele Rocha e Joice Kelly, orientadas por William Oliveira. O produto cicatrizante para ferimentos em cachorros e gatos que vivem nas vias públicas.

O Propet foi criado quando elas identificaram que em Candiba, havia muitos cachorros e gatos feridos e abandonados. “Observamos que, apesar de morarmos em cidade pequena, existe um alto número de animais de rua. Então, desenvolvemos um produto que fosse de baixo custo para doarmos para as ONGs. O intuito é proporcionar uma qualidade de vida melhor aos bichos”, diz Joice.

A pomada foi criada após uma pesquisa sobre plantas medicinais com o cuidado de analisar se, juntas, elas poderiam trazer algum risco aos animais. “Após termos um bom resultado em relação à junção dos ingredientes, que não apresentou nenhuma contraindicação, desenvolvemos nossa receita. A partir disso, iniciamos a fase dos testes e comprovamos a eficácia do produto”, diz Franciele.

Joice explica que foram realizados testes em cachorros com ferimentos e que, em quatro dias, já não havia mais feridas. “O produto é utilizado uma vez ao dia. É só passar no local que tem algum machucado ou ferimento no animal. O resultado é satisfatório e os ferimentos dos animais estavam totalmente cicatrizados após quatro dias de uso”.

O projeto, que é desenvolvido no âmbito do Programa Ciência na Escola, da Secretaria de Educação, ficou em segundo lugar na categoria Empreendedorismo, Mundo do Trabalho e Projeto de Vida, na 10ª Feira de Ciência, Empreendedorismo e Inovação da Bahia (Feciba). A alunas destacam que o produto está em aprimoramento. “Nós pretendemos aprimorar o produto para que, além de pomada, seja também um spray. Além disso, queremos patente para nosso produto para que futuramente possamos lançá-lo no mercado”, vislumbram.

Bahia Faz Ciência

A Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (Fapesb) estrearam no Dia Nacional da Ciência e do Pesquisador Científico, 8 de julho de 2019, uma série de reportagens sobre como pesquisadores e cientistas baianos desenvolvem trabalhos em ciência, tecnologia e inovação de forma a contribuir com a melhoria de vida da população em temas importantes como saúde, educação, segurança, dentre outros. As matérias são divulgadas semanalmente, sempre às segundas-feiras, para a mídia baiana, e estão disponíveis no site e redes sociais da Secretaria e da Fundação. Se você conhece algum assunto que poderia virar pauta deste projeto, as recomendações podem ser feitas através do e-mail [email protected]

Encontrar animais abandonados nas ruas é cada vez mais comum. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil, cerca de 30 milhões de animais domésticos estão nas ruas.

Por João Miguel

Fonte: Folha do Vale

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.