Animais são resgatados com dinheiro da venda de latinhas — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Amigas juntam latinhas e arrecadam dinheiro para resgatar animais que seriam sacrificados

Duas amigas mudaram completamente de vida após começar a ajudar animais de rua em Palmas, TO. Sem condições financeiras para cuidar dos bichos, elas começaram a juntam materiais recicláveis. Os objetos que iriam para o lixo são vendidos e o dinheiro arrecadado é usado nos cuidados com animais retirados da rua. Segundo as jovens, muitos deles seriam sacrificados. (Veja o vídeo)

VÍDEO: Amigas recolhem latinhas e garrafas, e arrecadam dinheiro para animais resgatados

O projeto, que alia reciclagem e amor aos animais, já ajudou a salvar a vida de muitos cachorros. A casa de Giane vira lar provisório para os cães, que depois são adotados. O trabalho de resgate começou há dois anos e cerca de 200 animais já passaram pela casa da tosadora.

Cada um dos animais tem um passado de abandono, que é superado com amor e cuidado. Giane Oliveira já acolheu animais doentes que seriam mortos. A mulher disse já foi criticada por causa da ação, mas não pretende desistir.

“Eu espero alguém aparecer. No último momento, quando vejo que ninguém aparece, eu não aguento. Eu me sensibilizo com a situação e acabo pegando aquele que está na beira da morte”, disse Giane.

A voluntária conta que ver o resultado do trabalho é gratificante. Um dos exemplos é o cachorro Ariel. Ele foi atropelado e teve a visão e os movimentos reduzidos. “Teve lesão na coluna, estava com um olho furado. Fizeram o raio-x dele e disseram que era para ser sacrificado”, lembra.

Já os irmãos pudles (sic) foram diagnosticados com leishmaniose e Giane resolveu adotá-los após eles serem deixados. “A dona não queria abandonar, mas a família pediu a eutanásia”.

Animais de rua são resgatados por amigas — Foto: Reprodução/TV Anhanguera
Animais de rua são resgatados por amigas — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Foi pensando em uma forma de ajudar nos cuidados dos bichos doentes que Giane e a amiga Nathália Almeida resolveram agir. Elas saem nas ruas de Palmas, recolhem os materiais e organizam todos eles em casa, para depois vendê-los.

“Eu vi em alguns estados sobre o projeto da latinha e eu achei que aqui em Palmas iria dar super certo, em vista que não tem nenhum projeto relacionado a isto. Até porque é sustentabilidade também. É um trabalho cansativo, mas no final a recompensa é maior”, explicou Nathália Almeida.

Cada um com sua personalidade, os animais agradecem retribuindo o gesto das novas tutoras com muito amor .

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.